Cientistas identificam hormônio que diminui o apetite

Uma equipe da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, identificou um hormônio que diminui o apetite. Segundo artigo publicado na revista Science, o obestatin faz parte de um grupo de hormônios que regulam a fome.Os cientistas chegaram ao hormônio numa pesquisa sobre informações genéticas. Eles analisaram seqüências genéticas em humanos e em animais, incluindo os códigos do ghrelin, hormônio que aumenta o apetite.Foi aí que descobriram que um outro hormônio - que eles chamaram de obestatin - vinha da mesma proteína precursora que produz o ghrelin, mas que tinha efeitos contrários.Quando ratos receberam injeções de obestatin no abdômen e no cérebro, eles passaram a comer metade do que os animais que não receberam qualquer substância. Eles também passaram a engordar menos. O hormônio ainda diminuiu a velocidade da passagem da comida do estômago aos intestinos."Uma melhor compreensão do papel do ghrelin e do obstatin no complicado processo de equilíbrio de energia e do controle de peso do corpo pode ser essencial para um tratamento de sucesso contra a obesidade", disse Aaron Hsueh, líder do estudo."Essa pesquisa é fascinante. Ela leva a uma outra face desse complexo sistema regulador de apetite que nós poderíamos controlar usando medicamentos", disse Steve Bloom, especialista em pesquisas de obesidade do Imperial College, de Londres.Segundo Bloom, cientistas devem conseguir controlar o apetite em um período de cinco a dez anos. Mas, para ele, o fato de um hormônio que aumenta a fome ser criado pela mesma célula de um hormônio que diminui o apetite "é um desafio".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.