Cientistas identificam "nuvem marrom" sobre a Ásia

Um grupo de climatologistas patrocinado pela ONU declarou, ontem, ter identificado a "nuvem marromasiática". De acordo com os especialistas, esse nevoeiroflutuante de 10 milhões de milhas quadradas e três quilômetros de espessura de poluição causada pelo homem está se espalhando por todo o continente asiático e bloqueando até 15% da luz do Sol.Liderado pelo professor Paul Grutzen, cujo trabalho sobre oburaco na camada de ozônio lhe valeu o Prêmio Nobel de Ciência de 1995, o grupo descobriu que a nuvem poderá ser soprada, na estratosfera, em volta de meio mundo, em menos de uma semana.Segundo os cientistas, com os combustíveis fósseis queimados pelo homem afetando cada vez mais o clima global, segundo se presume, a nuvem marrom torna mais complexas as tentativas dos cientistas de compreender o clima no nível regional.Ontem, o professor V. Ramanathan, do Instituto Oceanográfico US Scripps, que pesquisou o fenômeno durante cinco anos, afirmou que não se trata de um problema exclusivamente asiático."Julgávamos que o aquecimento global fosse o único impacto causado pelos seres humanos sobre o clima. Mas agora sabemos que a questão é mais complexa. A nuvem marrom mostra que as atividades do homem estão tornando o clima mais imprevisível por toda a parte. Gases causadores do efeito estufa, como o gás carbônico, são distribuídos uniformemente, mas as partículas da nuvem marrom agravam a imprevisibilidade no mundo inteiro",afirmou Ramanathan.A nuvem é descrita como uma mistura de poluentes de veículos e industrias, monóxido de carbono, e partículas diminutas de fuligem ou de cinzas procedentes da queima regular de florestas e de madeira usada para cozinhar em milhões de residenciais rurais.A pesquisa mais recente encomendada pela ONU a mais de 200 cientistas que trabalham em diversos países indicam que, no seu auge sazonal, usualmente em janeiro, a fuligem existente na nuvem rebate a luz do sol de volta para a estratosfera e evita a evaporação do mar, o que resulta em menos chuvas. Presume-se que isso, por sua vez, esteja afetando as chuvas de monções, que determinam os resultados da agricultura e afetam adversamente asaúde e a vida de até três bilhões de pessoas em toda a Ásia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.