Cientistas produzem embrião humano sem usar esperma

Pesquisadores da Escola de Medicina de Cardiff, em Gales, anunciaram nesta quinta-feira que estão produzindo embriões humanos sem usar esperma, buscando tornar menos polêmica a utilização de blastocistos para a utilização de células-tronco.O método, divulgado pela revista New Scientist, utiliza apenas a proteína PLC-Zeta, encontrada no esperma, responsável pela divisão celular. Os embriões se desenvolvem sem os cromossomos masculinos e, portanto, não resultariam num processo de procriação.No experimento feito pela equipe de Cardiff, segundo a agência Efe, os primeiros embriões gerados com a PLC-Zeta se dividiram dirante quatro ou cinco dias, atingindo o estágio de blastocisto, onde há células-tronco capazes de iniciar a constituição de qualquer tipo de tecido humano.O uso de células-tronco retiradas de embriões humanos - geralmente descartados em clínicas de reprodução assistida - enfrenta sérias resistências em vários países. Muitos consideram estes embriões como seres vivos, pois caracterizam a vida a partir da fecundação do óvulo pelo espermatozóide.Além de produzir embriões capazes de fornecer células-tronco para tratamento tecidos defeituosos ou degenerados - como nos casos de Alzheimer, Parkinson, diabete e distrofia muscular, entre outras -, os pesquisadores acham que podem usar a PLC-Zeta para tratar a infertilidade masculina.   leia mais sobre células-tronco

Agencia Estado,

02 de dezembro de 2004 | 11h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.