Cientistas propõem Comissão Nacional de Bioética

Cientistas e políticos já negociam com a equipe de transição do novo governo a proposta de criação de uma Comissão Nacional de Bioética, vinculada diretamente à Presidência da República, a exemplo do que ocorre em países desenvolvidos.Segundo o presidente da Sociedade Brasileira de Bioética, Volnei Garrafa, a comissão poderia discutir temas polêmicos como aborto e clonagem, com o objetivo de subsidiar projetos a serem enviados ao Congresso.A proposta de criação de uma comissão nacional ganhou força durante o 6º Congresso Mundial de Bioética, realizado na semana passada em Brasília, com a participação de mais de 900 pesquisadores brasileiros e cerca de 500 estrangeiros.Na tentativa de abrir canais de comunicação com a equipe de transição de Luiz Inácio Lula da Silva, Garrafa já procurou dois deputados federais recém-eleitos, Maria José Maninha e Sigmaringa Seixas, ambos do PT do Distrito Federal. A comissão, acredita Garrafa, poderia reduzir atritos entre governo e Congresso.Antes de chegar aos parlamentares, os projetos na área de bioética passariam por debate na comissão, de composição "pluralista e multidisciplinar". "O presidente poderia enviar uma proposta da comissão que ele pessoalmente não apresentaria para evitar desgate político ou por razões religiosas", exemplifica o especialista.A comissão também poderia ter papel importante no debate sobre pesquisas com células-tronco de embriões humanos na busca de tratamento para diabetes, mal de alzheimer e distrofias musculares.

Agencia Estado,

04 de novembro de 2002 | 23h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.