Tiranossauro Rex pode ter sido três espécies diferentes, sugere pesquisa

Tiranossauro Rex pode ter sido três espécies diferentes, sugere pesquisa

Cientistas batizaram as duas novas espécies de Tyrannosaurus imperator e Tyrannosaurus regina

Redação, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2022 | 10h00

Um novo estudo levou um grupo de especialistas a sugerir que pode haver três grupos diferentes de Tyrannosaurus rex, um dos dinossauros mais famosos. Até então, o animal era reconhecido como a única espécie de seu gênero.

A análise, publicada pela revista Evolutionary Biology e assinada por cientistas americanos, revelou diferenças físicas no fêmur, outros ossos e estruturas dentárias que poderiam sugerir que os espécimes de Tyrannosaurus rex deveriam ser recategorizados em três espécies diferentes. As duas novas foram chamadas de Tyrannosaurus imperator e Tyrannosaurus regina.

A equipe liderada pelo paleontólogo Gregory Paul analisou os ossos e restos dentários de 37 espécimes de tiranossauros e comparou a robustez do fêmur em 24 deles. Eles também mediram o diâmetro da base dos dentes ou o espaço nas gengivas para avaliar se os animais tinham um ou dois dentes incisivos finos.

Os autores notaram que o fêmur variou entre os espécimes, alguns com ossos mais robustos e outros mais leves. Além disso, havia o dobro dos primeiros, sugerindo que não é uma diferença causada pelo sexo, o que provavelmente levaria a uma divisão mais uniforme.

Da mesma forma, eles consideram que a variação não está relacionada ao crescimento, visto que foram encontrados fêmures robustos em alguns espécimes juvenis com dois terços do tamanho de um adulto, assim como ossos menores em alguns animais mais velhos.

A estrutura dental também variou entre os espécimes, embora apenas doze deles tivessem restos tanto do fêmur quanto dos dentes. Especialistas viram que aqueles com um dente incisivo eram frequentemente correlacionados com um fêmur mais leve.

Do total de tiranossauros, 28 puderam ser identificados em camadas distintas de sedimentos (estratigrafia) nas formações superiores de Masstrichtianos, região na América do Norte entre 66 a 67,5 milhões de anos atrás. Os autores compararam os espécimes de Tyrannosaurus com outras espécies terópodes (subordem de dinossauros) encontradas em camadas inferiores de terra.

A variação na robustez do fêmur na camada inferior não foi diferente da de outras espécies de terópodes, indicando que provavelmente havia apenas uma espécie de Tyrannosaurus naquele ponto.

Somente um fêmur afilado de tiranossauro foi identificado na camada média com outros cinco na camada superior, ao lado de alguns robustos. A variação da robustez dos ossos na camada superior dos sedimentos foi maior do que a observada em alguns espécimes terópodes anteriores. 

Isso sugere que os espécimes do Tyrannosaurus encontrados em camadas mais altas de sedimentos fisicamente se desenvolveram em formas mais distintas em comparação com espécimes de camadas inferiores, e outros dinossauros.

A equipe acredita que as mudanças no fêmur podem ter evoluído ao longo do tempo de um ancestral comum com fêmures mais robustos para se tornar mais gracioso em espécies posteriores.

As diferenças entre as camadas de sedimentos podem ser consideradas "distintas o suficiente para que os espécimes possam ser considerados espécies separadas", disse Paul.

Das duas possíveis novas espécies de tiranossauros, imperator refere-se a espécimes encontrados nas camadas inferior e média do sedimento, caracterizados por fêmures mais robustos e geralmente dois dentes incisivos.

Regina está ligada a restos das camadas superiores e possivelmente intermediárias do sedimento, caracterizadas por fêmures mais finos e um dente incisivo. A espécie reconhecida Tyrannosaurus rex foi identificada na camada superior e possivelmente na camada intermediária do sedimento, com restos que preservam fêmures mais robustos e que possuem apenas um incisivo.

Alguns espécimes analisados ​​não puderam ser identificados a partir de seus restos, por isso não foram atribuídos a uma espécie. Os autores reconhecem que não podem descartar que a variação observada seja por causa de diferenças individuais extremas, ou dimorfismo sexual atípico, em vez de grupos separados, e também alertam que a localização nas camadas sedimentares de alguns espécimes não é conhecida.

Tudo o que sabemos sobre:
dinossaurociência

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.