AFP
AFP

Cientistas recriam em impressora 3D a múmia do 'homem da neve'

Réplica de tamanho natural do corpo de 5.300 anos encontrado nos Alpes foi apresentada em um museu na Itália

O Estado de S. Paulo

20 Abril 2016 | 17h54

Um grupo de cientistas apresentou nesta quarta-feira, 20, uma réplica de tamanho natural de Otzi, "o homem das neves", uma múmia de 5.300 anos cujo corpo foi encontrado nos Alpes, em 1991. A réplica foi feita por meio de uma impressora 3D.

A múmia de Otzi, que se caracteriza por um notável grau de conservação, foi fielmente reconstituída a base de resinas por uma impressora 3D que utilizou técnicas de tomografia.

Depois, os modelos foram pintados a mão pelo artista norte-americano Gary Staab, indicou em um comunicado o Museu Arqueológico de Bolzano, na Itália, perto da fronteira com a Áustria.

"A reconstrução das mãos, que não tinham sido capturadas pelo scanner foi um verdadeiro desafio", destacou o museu que abriga tanto a múmia original como suas réplicas.

Uma das cópias será parte de uma mostra itinerante que começará a ser exibida no Museu de Ciências Naturais de Raleigh, nos Estados Unidos.

Em 1991, a descoberta de Otzi por dois alpinistas em um glaciar entre a Áustria e a Itália a 3.210 metros de altura foi uma "sensação arqueológica". O estudo da múmia continua sendo fonte de numerosas descobertas.

Uma análise recente das bactérias presentes em seu estômago levantou a hipótese de que uma das grandes ondas migratórias do Oriente Médio para a Europa foi mais recente do que se acreditava.

O sequenciamento completo de seu genoma feito em 2012 permitiu determinar que o homem tinha os olhos marrons, o cabelo negro e que descendia de populações que chegaram à Europa, com ancestrais na Sardenha e no Cáucaso.

Os cientistas acreditam que Otzi tinha entre 40 e 50 anos no momento de sua morte, um episódio violento a julgar pelos fragmentos de flechas encontrados em seu dorso, que haviam perfurado também uma artéria.

A múmia também mostrou aspectos sobre a cultura de sua época, já que com ela foram encontrados um machado e uma bolsa e seu corpo tinha 61 tatuagens./AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.