Cientistas ´resolvem´ paradoxo da viagem do tempo

Uma equipe de cientistas dos Estados Unidos e da Áustria disse ter resolvido o paradoxo da viagem ao passado com uma "máquina do tempo". Apesar de a idéia da viagem pelo tempo ser teoricamente aceita por especialistas, eles sempre se deparavam com um problema: a possibilidade de alguém viajar para o passado e mudar algo com conseqüências que contradiriam o estado atual das coisas.Segundo um novo modelo proposto pelos pesquisadores da Universidade da Cidade de Nova York e da Universidade de Tecnologia de Viena, é possível viajar para o passado, mas é impossível fazer uma mudança que contradiga o que se sabe sobre o presente. E isso é explicado pelas leis da física quântica.A física quântica trabalha com probabilidades. Antes que algo seja observado de fato, há uma série de possibilidades sobre o seu estado. Mas, uma vez que seu estado é determinado, essas possibilidades se resumem a uma só. A incerteza é eliminada.Portanto, se você conhece o presente, se você sabe que seu pai está vivo hoje, as leis da física quântica indicam que ele não pode ter sido assassinado no passado.Nem adianta tentar matá-lo numa viagem ao passado porque será impossível (ele terá deixado a sala quando você chegar, ou você pode até mudar de idéia no caminho)."A física quântica diferencia algo que acontece de algo que pode acontecer", afirma o professor Dan Greenberger, da Universidade da Cidade de Nova York."Se você não tem certeza de que seu pai está vivo, se houver uma chance mesmo de 90% de ele estar vivo agora, você pode tentar voltar ao passado para matá-lo.""Mas, se você sabe que ele está vivo, esse simples fato conspira contra a possibilidade de assassiná-lo no passado."O novo modelo é apenas teórico. Ele só poderá ser comprovado com uma viagem ao passado, o que ainda está longe de acontecer.

Agencia Estado,

19 de junho de 2005 | 18h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.