Cientistas trabalham em remédio que apagaria lembranças

Batizado de Zip, remédio bloqueia atividade de molécula que cérebro precisa para armazenar informações

Efe,

06 de abril de 2009 | 19h15

Cientistas americanos vem trabalhando no desenvolvimento de um medicamento que teria a capacidade de apagar informações do cérebro, segundo publicou nesta segunda-feira, 6, o The New York Times.

 

Batizado de Zip, o remédio bloqueia a atividade de uma molécula que, aparentemente, o cérebro precisa para armazenar grande parte das informações.

 

Especialista em neurociência, Todd Sacktor lidera o grupo de pesquisadores baseado em Nova York e disse ao jornal que, caso esta molécula seja tão importante como parece, poderia promover melhorias em tratamentos de lembranças traumáticas e ajudaria o processo de aprendizado.

 

Em uma das experiências, um membro da equipe "ensinou" ratos a memorizar a localização de objetos e a se movimentar por uma pequena caixa, de modo que evitassem uma descarga elétricas em suas patas.

 

Depois de aprenderem estes movimentos, os animais conseguiam evitar os choques, mesmo passando um mês fora do local.

 

No entanto, após a aplicação do Zip, os ratos esqueceram do que tinham aprendido.

 

Um outro experimento realizado por pesquisadores israelenses descobriu que, com uma dose de Zip, os ratos esqueciam um sabor que não tinha lhes agradado três meses antes.

 

Apesar de a pesquisa estar limitada a animais, os cientistas acreditam que o sistema de memória funciona da mesma maneira nos seres humanos.

Tudo o que sabemos sobre:
memóriamedicamentociência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.