Cientistas vêem buraco gigante no campo magnético da Terra

Estrutura do campo magnético tem duas rachaduras por onde as partículas do Sol podem entrar

Associated Press,

17 de dezembro de 2008 | 13h45

Observações recentes feitas por satélite revelam o maior buraco já visto no campo magnético da Terra, que protege o planeta das tempestades mais violentas do Sol. A descoberta foi feita pela rede Themis, uma frota de cinco satélites da Nasa.    Brasil prepara rede de observatórios do campo magnético  Cientista da Nasa explica a descoberta (em inglês)   Cientistas sabem há tempos que o campo magnético é poroso e, às vezes, deixa passar fluxos de partículas emitidas pelo Sol. Essas torrentes podem causar auroras brilhantes, danificar sistemas de comunicação e pôr em risco satélites e astronautas no espaço. Em 1998, um blecaute que atingiu parte do Canadá foi causado por uma tempestade solar.   Observações feitas pelos Themis mostram que o campo terrestre apresenta, de tempos em tempos, duas rachaduras que permitem que o vento solar - um fluxo de partículas dotadas de carga elétrica que se derrama do Sol a uma velocidade de quase 2 milhões de quilômetros por hora - penetre na atmosfera. No último verão do hemisfério norte, Themis calculou que a camada de partículas solares tinha uma espessura de 6,4 mil quilômetros na parte mais externa da magnetosfera terrestre, a maior brecha já vista no escudo.   "Estava crescendo bem rápido", disse a cientista Marit Oieroset, do programa Themis. Essas brechas são temporárias e a que foi observada no ano passado durou cerca de uma hora, declarou.   Cientistas acreditavam, inicialmente, que a maior brecha surgia quando os campos magnéticos da Terra e do Sol tinham orientações opostas, mas dos dados de Themis provaram que o contrário é verdade.   Vinte vezes mais vento solar passa pela escudo quando os campos estão alinhados, disse Marit. Os resultados deverão afetar os prognósticos de tempestades solares e seus efeitos nas redes de eletricidade, telecomunicações e atividades espaciais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.