Cinco são indiciados por óleo derramado na Baía de Guanabara

Com base na lei de crimes ambientais, a Polícia Federal indiciou nesta quinta-feira cinco pessoas pelo vazamento de óleo do navio Saga Mascot, ocorrido na Baía de Guanabara no último dia 3.Foram indiciados: Wilson Pizane de Carvalho, responsável pela manobra do navio; Eduardo Coelho Barbosa, engenheiro de segurança e elaborador do plano de segurança do estaleiro Enavi-Renave, onde a embarcação atracava quando houve o acidente; Antônio Mauro Miranda Saramago, executor do plano; Jorge Ribeiro e Daniel de Souza Carvalho, que auxiliavam a manobra.Os quatro primeiros são acusados de causar poluição mediante lançamento de óleo, com agravante por ter ocorrido à noite; o último, de emissão culposa de poluentes. As penas variam de um a cinco anos de reclusão, para os quatro. No caso de Carvalho, caberia pena de seis meses a um ano, além de multa.O relatório da PF será entregue amanhã ao Ministério Público Federal, que terá 15 dias para decidir se irá ou não denunciá-los.Seis praias atingidasO óleo vazou do tanque do navio por duas rachaduras e se espalhou por seis praias de Niterói, contaminando o mar e a areia. O MPF já instaurou inquérito civil para apurar a responsabilidade pelo derramamento.A Secretaria de Meio Ambiente do Estado do Rio aplicou multa de R$ 10 milhões à empresa Oceanus Agência Marítima, responsável pelo navio. O estaleiro Enavi-Renave foi multado em R$ 2 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.