EFE/Andy Rain
EFE/Andy Rain

Cinzas de Hawking serão enterradas ao lado de Newton

Restos mortais do astrofísico britânico serão levados à Abadia de Westminster

O Estado de S.Paulo

21 Março 2018 | 03h00

As cinzas do astrofísico britânico Stephen Hawking, que morreu na semana passada aos 76 anos, serão enterradas ao lado do grande físico Isaac Newton na Abadia de Westminster, onde repousam as grandes figuras britânicas.

"É absolutamente apropriado que os restos do professor Stephen Hawking sejam enterrados na abadia, perto de seus colegas cientistas", disse o reverendo John Hall, em um comunicado publicado nesta terça-feira, 20.

Os funerais de Hawking serão em 31 de março em Cambridge, e a abadia não informou a data em que as cinzas serão enterradas.

Isaac Newton, que descobriu a lei da gravidade, foi enterrado no grande templo em 1727. Charles Darwin, o pai da teoria da evolução, foi sepultado perto de Newton em 1882.

A última grande personalidade enterrada na abadia foi o ator Laurence Olivier, em 1989. Os últimos cientistas cujos restos mortais ingressaram no templo foram os físicos atômicos Ernest Rutherford, em 1937, e Joseph John Thomson, em 1940.

"Acreditamos que é vital que a ciência e a religião trabalhem juntas para responder às grandes questões sobre o mistério da vida e do universo", disse Hall.

Os filhos de Hawking anunciaram que as cerimônias serão no sábado, 31 de março, na igreja da Universidade britânica de Cambridge.

Hawking morreu enquanto dormia em 14 de março em Cambridge, depois que sua saúde foi se deteriorando nos últimos meses.

++ Stephen Hawking: Entre a física teórica e o mundo pop

++ Análise: Cientista genial, ícone de superação e celebridade

++ Especialistas destacam importância de Hawking para pacientes com ELA

++ Confira reflexões de Hawking sobre Deus, o Universo e a fama

 

 

Mais conteúdo sobre:
Stephen Hawking Isaac Newton

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.