Cirurgia para obesos causa mais mortes do que se imagina

As intervenções cirúrgicas para eliminar gordura do corpo são mais perigosas do que se achava e até podem causar a morte dos pacientes, revelou um estudo publicado pela revista da Associação Médica dos EUA.A pesquisa, realizada em 16.100 pacientes, revelou que a possibilidade de morrer um ano após uma intervenção é superior ao que se tinha calculado, inclusive entre pessoas com menos de 40 anos. Entre pessoas de 35 a 40 anos, a taxa de mortalidade foi de mais de 5% entre os homens e de quase 3% entre as mulheres."Este é um aviso para aquelas pessoas que estiverem pensando em submeter-se a este tipo de operação", disse o cirurgião David Flum, autor principal do estudo. Até agora se acreditava que as intervenções cirúrgicas desse tipo tinham uma taxa de mortalidade de menos de 1%, assinalou o relatório.Desnutrição e infecçõesAs complicações dessas intervenções cirúrgicas podem incluir desnutrição, infecções e, em geral, podem ter como resultado um duro golpe para o sistema fisiológico dos pacientes, especialmente se forem de idade avançada.O problema especialmente grave nos Estados Unidos onde a obesidade se transformou em uma verdadeira epidemia com mais de 60% da população com excesso de peso ou definitivamente obesa.Segundo especialistas médicos, se calcula que este ano serão realizadas por volta de 150.000 operações de redução estomacal ou "by-pass" gástrico, dez vezes o número registrado em 1998.Segundo David Zingmond, um dos autores do estudo, algumas pessoas consideram que a cirurgia contra a obesidade é um recurso simplesmente cosmético e, lamentavelmente, descartam a possibilidade de que sofrerão complicações depois da intervenção.

Agencia Estado,

19 de outubro de 2005 | 10h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.