Clarão no céu chama a atenção de moradores de cidades nordestinas

Sociedade Astronômica do Recife explicou que o misterioso fenômeno trata-se da Chuva de Meteoros Orionídea

Monica Bernardes , Especial para O Estado

16 Outubro 2014 | 16h01

RECIFE - A Sociedade Astronômica do Recife (SAR) divulgou, na manhã desta quinta-feira, 16, uma nota pública para explicar o misterioso clarão observado no céu, na noite de quarta, e que chamou a atenção de moradores de várias cidades dos Estados de Pernambuco, Paraíba, Sergipe e Rio Grande do Norte. De acordo com os especialistas, a "bola de fogo", relatada por centenas de pessoas por meio das redes sociais, faz parte do fenômeno chamado Chuva de Meteoros Orionídea, que teve início no dia 14 e terminará no dia 29 deste mês.

"O corpo celeste provavelmente entrou em combustão quando entrou em contato com a pressão do ar na atmosfera e formou uma bola de fogo, denominada bólido ou fireball. Não é um fenômeno tão comum de ser observado por aqui, mas não traz nenhum risco para os moradores da região. Não temos nenhum relato na história recente, por exemplo, de queda de fragmentos em solo", explicou o presidente da SAR, Everaldo Faustino. Os meteoros deste tipo viriam da constelação de Órion, a mesma onde está localizada o conjunto de estrelas popularmente conhecida como "Três Marias".

O fenômeno foi observado, no Recife, precisamente às 22h19. Minutos depois centenas de posts nas redes sociais faziam referência ao fato. Algumas mensagens traziam preocupação e nervosismo. Outras tinham o tom de brincadeira.

Ainda de acordo com os integrantes da SAR, o bólibo visto em parte da região Nordeste, provavelmente, tinha o tamanho de uma bola de futebol e explodiu a 60 quilômetros de distância do solo, virando poeira. O último relato oficial do fenômeno, com observação em Pernambuco, foi feito em outubro de 2012.

O estudante André Simas, de 19 anos, observou o fenômeno na zona norte do Recife, no bairro do Parnamirim, quando chegava em sua residência. "Foi um clarão muito forte. Imaginei que poderia ter sido um raio ou algo do tipo. Estranhei porque não houve nenhum barulho parecido com trovões. Fiquei surpreso com a explicação dos astrônomos. Vou ficar de olho para ver se consigo observar mais algum nos próximos dias", destacou.

Mais conteúdo sobre:
chuva de meteorosRecife

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.