CNBB se reúne para discutir reconquista de fiéis

Assembléia de Itaici vai discutir também a Pastoral Afro, para fazer uma reflexão sobre a comunidade negra

José Maria Mayrink, O Estado de S. Paulo

02 de abril de 2008 | 11h42

A ação evangelizadora da Igreja, à luz das conclusões da Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe, realizada em maio do ano passsado em Aparecida, dará o tom à 46.ª Assembléia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que começou nesta quarta-feira, 2, no Mosteiro de Itaici, em Intaiatuba, a 112 quilômetros da capital. Participam do encontro 302 bispos, dos quais 29 eméritos ou aposentados. Além de aprovar as novas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora, plano de quatro anos que venceu em 2007 e foi prorrogado por mais um ano para incorporação do Documento de Aparecida, que o papa Bento XVI sancionou com mudanças no texto original, os bispos discutirão a Missão Continental. O episcopado pretende adaptar à realidade brasileira metas e instrumentos de um esforço missionário destinado reconquistar os católicos que abandonaram a prática religiosa.  "Queremos acolher o élan missionário de Aparecida sem mudar muito nosso projeto de evangelização", adianta o secretário-geral da CNBB, d. Dimas Lara Barbosa. Em novembro, o Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) elaborou em Bogotá, na Colômbia, orientações para planejamento e projeção da Missão Continental. Ela terá caráter permanente e será desenvolvida levando em conta os diferentes níveis de Igreja. Segundo d. Dimas, que participou da reunião de Bogotá ao lado do presidente do Celam, d. Raymundo Damasceno Assis, os bispos vão definir os passos da missão evangelizadora aproveitando celebrações tradicionais do catolicismo no Brasil. "Religiosidade popular, reza do Terço e Campanha da Fraternidade terão um enfoque missionário, no espírito de Aparecida", anuncia o secretário-geral da CNBB.  Outras práticas que deverão ser adaptadas a esse contexto são a leitura da Bíblia e as visitas de imagens de Nossa Senhora, que são levadas de casa em casa para novenas e encontros, principalmente nas cidades do interior. "Podemos também distribuir réplicas do tríptico que Bento XVI deu de presente ao Celam", disse d. Dimas. O tríptico que o papa deixou em Aparecida é um oratório de madeira, de arte peruana, com a imagem da ascensão de Cristo e cenas do Evangelho.  A Assembléia de Itaici vai discutir também a Pastoral Afro, para fazer uma reflexão sobre a comunidade negra e sua relação com a evangelização. A pedido de padres que trabalham no setor, o plenário incentivará os bispos a implantar essa pastoral em suas dioceses. Liderada por sacerdotes e agentes negros, a Pastoral Afro adota ritos e vestes especiais em suas celebrações, sempre marcadas por rezas, músicas e danças de inspiração africana.  Novos temas, segundo d. Dimas, poderão ser acrescentados ao debate, quando a pauta for definida, na sessão de abertura. Além da análise de conjuntura política, econômica e social, na qual assessores leigos apresentam um panorama atualizado da situação nacional e mundial, haverá uma análise pastoral, sobre a ação da Igreja Católica e de outros grupos religiosos.

Tudo o que sabemos sobre:
CNBBreligiãocatolicismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.