Coletânea traz ilustrações de peixes amazônicos

Imagens de 180 espécies de peixes amazônicos, feitas no século 19 pelo naturalista inglês Alfred Russel Wallace, compõem o livro ?Peixes do Rio Negro?, lançado pela Imprensa oficial e Edusp. Organizado por Mônica de Toleto-Piza Ragazzo, do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo, a obra reúne, pela primeira vez, reproduções de 212 desenhos feitos pelo zoólogo, considerado um dos formuladores da teoria da evolução por seleção natural, ao lado de Charles Darwin.O livro foi desenvolvido em conjunto com o Museu de Zoologia da USP e o Museu de História Natural, de Londres, detentor do acervo de Wallace, e contém os únicos resquícios do trabalho desenvolvido pelo naturalista na América do Sul. Elaboradas entre 1850 e 1852, durante expedições pelos rios Negro e Uapés, as ilustrações incluem espécies de quase todas as famílias de peixes de água doce neotropicais. Em edição bilingüe (português-inglês), ?Peixes do Rio Negro? traz, ainda, descrições dos peixes, acompanhadas dos nomes populares e da classificação, além de observações do próprio Wallace sobre o hábitat desses animais.Antes de desembarcar na América do Sul, o zoólogo esteve na Indonésia, onde coletou espécies que o levaram a formular suas idéias sobre a origem das espécies, que foram enviadas a Darwin, na Inglaterra. Junto com o naturalista Walter Bates, Wallace chegou à Amazônia com 25 anos com a intenção de contribuir para a ?solução do problema da origem das espécies?. Ao retornar para a Inglaterra, com suas coleções de espécimes raros e 20 animais vivos, o navio em que viajava pegou fogo. Ao abandonar o navio e passar dez dias à deriva num bote salva-vidas, conseguiu levar seus desenhos de palmeiras e peixes e os cadernos de anotações.Serviço: O livro ?Peixes do Rio Negro? custa R$ 120,00 e pode ser adquirido na livraria virtual da Imprensa Oficial (www.imprensaoficial.com.br) ou pelo telefone 0800-123401.

Agencia Estado,

19 de julho de 2002 | 16h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.