Administração Espacial Nacional da China
Administração Espacial Nacional da China

Com pouso na Lua, China dá grande passo como força espacial

Feito demonstra maturidade chinesa e amplia concorrência entre agências

Gustavo Rojas, O Estado de S.Paulo

03 Janeiro 2019 | 21h35

Com todo o crescimento econômico dos últimos anos, a China começou a desenvolver um plano para se posicionar como liderança na exploração espacial. Iniciou com a estação espacial; depois, os chineses fizeram o primeiro voo tripulado e agora, missões lunares, conseguindo algo que ninguém tinha feito: pousar no lado oculto. Se tivessem pousado na face virada para a Terra já seria de destaque, mas, na face oculta, o status foi maior. 

Outros potências têm mais experiência espacial, principalmente a Rússia, os Estados Unidos e, em menor a escala, a Europa. Mas, ao conseguir realizar o que fez, a China demonstra maturidade.

Nos próximos anos, devemos ter mais missões do país asiático. Os planos são fazer um pouso tripulado na Lua, mas as informações não são claras. Não temos acesso ao planejamento efetivo da China. Esse pouso foi só um degrau na subida chinesa. Eles têm investido pesadamente na área tecnológica e tanto a parte de exploração lunar quanto a de exploração da órbita, com estação espacial, mostram que é preciso levá-los a sério. 

Para a área espacial como um todo, cria-se uma concorrência. Quando houve a corrida para Lua, era uma época de concorrência entre Estados Unidos e União Soviética. Talvez tenhamos situação parecida, mas com vários atores e componentes econômicos de fundo não apenas geopolíticos.

É BACHAREL EM FÍSICA E DOUTOR EM ASTRONOMIA PELA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. AUTOR DO BLOG 'TELESCÓPIO' NO ESTADÃO

Mais conteúdo sobre:
China [Ásia]astronomiaLua

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.