Começa temporada de migração da baleia jubarte

Técnicos do Projeto Baleia Jubarte estão intensificando o trabalho de vigilância na região do Arquipélago de Abrolhos no litoral do extremo sul baiano devido ao início da temporada de acasalamento nas águas da área de espécies raras de cetáceos, período que vai até novembro. As jubartes e francas merecem especial atenção por serem espécies ameaçadas de extinção e costumarem freqüentar o litoral baiano há anos nessa época.Estão previstos dez sobrevôos entre a costa da Bahia e Espirito Santo para que os biólogos possam mapear as áreas onde as baleias costumam freqüentar. Esse trabalho é utilizado inclusive para traçar as rotas das barcaças de uma fábrica de celulose que transportam toras de eucalipto entre o porto de Caravelas, na Bahia ao norte do Espírito Santo. Com as informações, as embarcações evitam navegar nos pontos de maior concentração das baleias evitando "atropelá-las".Os pesquisadores também realizam trabalho de fotoidentificação das baleias jubarte para contar o número de cetáceos que aparecem na região. A identificação é feita através da fotografia da cauda da jubarte cujo desenho é como uma espécie de impressão digital de cada uma. Segundo Márcia Engel, diretora do Instituto Jubarte, o catálogo da organização já conta com 1.626 jubartes identificadas, cerca de 60% dos indivíduos que migram para Abrolhos no segundo semestre do ano. Estima-se que a população mundial da jubarte seja de 35 mil indivíduos.

Agencia Estado,

09 de julho de 2003 | 22h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.