NASA
NASA

Cometas 'gêmeos' se aproximam da Terra

Descoberto em janeiro, um deles passará a 3,5 milhões de km do planeta nesta terça, terceira maior aproximação desde 1770

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

21 Março 2016 | 17h07

Dois cometas cruzam a vizinhança da Terra nesta segunda-feira, 21, e na terça, 22, de acordo com o Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da Nasa, a agência espacial americana. Não existe risco de colisão, mas o segundo cometa chegará bem perto do planeta, em termos astronômicos: 3,5 milhões de quilômetros. Até hoje só foram registrados dois cometas com trajetórias mais próximas à Terra, em 1770 e em 1983. Só haverá outro cometa tão próximo dentro de 150 anos.

De acordo com o JPL, o 252P/Linear, com 230 metros de diâmetro, passou no fim da manhã desta segunda a 5,2 milhões de quilômetros da Terra. Já o cometa P/2016 BA14, descoberto em 2016, tem cerca de 115 metros de diâmetro e fará o seu "rasante" de 3,5 milhões de quilômetros nesta terça. 

Os cientistas acreditaram inicialmente que os P/2016 BA14 era um asteroide, quando ele foi descoberto, no dia 22 de janeiro, pelo telescópio PanStarrs da Universidade do Havaí, em Haleakala, na ilha de Maui.

Mas outras observações feitas por pesquisadores da Universidade de Maryland (Estados Unidos) e do Observatório Lowell, usando o telescópio patrocinado pelo canal de TV a cabo Discovery, mostraram que o objeto possuía uma pálida cauda, indicando que se tratava de fato de um cometa.

Logo após a descoberta, ao estudar sua trajetória, os cientistas tiveram outra surpresa: o P/2016 BA14  tem uma órbita que se assemelha de forma incomum à do cometa 242P/Linear. Este último foi descoberto em abril de 2000, por cientistas do projeto Lincoln de Pesquisa sobre Asteroides Próximos à Terra (Linear, na sigla em inglês) do Instituto de Tecnologia do Massachusetts (MIT).

A aparente coincidência, segundo os cientistas, pode ser uma indicação de que os dois cometas sejam "gêmeos". O P/2016 BA14 tem aproximadamente a metade do tamanho do 252P/Linear e poderia ter se originado do "irmão" maior em um passado distante.

"O P/2016 BA14 é provavelmente um fragmento do 242P/Linear. Os dois podem estar relacionados porque suas órbitas são notavelmente similares", disse Paul Chodas, pesquisador do JPL em Pasadena, na Califórnia (Estados Unidos).

"Nós sabemos que os cometas são objetos relativamente frágeis, porque em 1993, quando o cometa Shoemaker-Levy 9 foi descoberto, seus pedaços se desviaram para perto de Júpiter. É possível que em passagem anterior pelo Sistema Solar interno, um pedaço do 252P possa ter se despedaçado, dando origem ao BA14", disse Chodas.

Segundo o cientista, a fim de investigar a natureza dos dois cometas, o 252P/Linear será observado com o Telescópio Espacial Hubble - que funciona no espectro da luz visível - e o P/2016 BA14 será observado com o Telescópio Espacial Spitzer, que funciona no espectro do infravermelho.

O 252P/Linear fez sua menor aproximação da Terra às 7h15 desta segunda-feira. O P/2016 BA14 chegará à menor aproximação nesta terça, por volta das 10h30 da manhã (horários de Brasília). Para observar os objetos é preciso usar poderosos telescópios profissionais.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.