Como as aranhas voam

Elas usam o voo como parte da estratégia para conseguir sobreviver

Fernando Reinach, O Estado de S.Paulo

23 Junho 2018 | 03h00

Correções: 24/06/2018 | 22h47

Aranhas não têm asas, mas isso não as impedem de voar. E voam grandes distâncias. Quando todos os seres vivos de uma pequena ilha são destruídos por uma erupção vulcânica ou uma nova ilha se forma por causa de um vulcão submerso, um dos primeiros artrópodes que colonizam essas ilhas inóspitas são as aranhas. Elas não só voam longe, mas voam alto. Muitas já foram capturadas a mais de 3 mil metros de altitude. E o melhor, diferentemente dos animais com asas, não gastam energia para voar. 

As aranhas praticam balonismo. Todas que foram capturadas voando estavam penduradas por um conjunto de fios muito finos, os mesmos que usam para fazer as teias, e eram carregadas pelo vento. É claro que voar ao sabor do vento é arriscado: você pode cair no oceano ou numa superfície de gelo (e aí a morte é certa), mas ser capaz de voar também pode salvar sua vida. Geralmente as aranhas mães colocam ovos em grupos e os filhotes nascem empilhados uns sobre os outros, presas fáceis para insetos carnívoros ou pássaros. Muitos deles alçam voo diretamente do ninho se espalhando pelo meio ambiente.

Agora que os cientistas se convenceram que aranhas não são simplesmente vítimas das ventanias, mas realmente usam o voo como parte de sua estratégia de sobrevivência. As técnicas de decolagem, navegação e pouso das aranhas têm sido investigadas. Para isso, elas têm sido filmadas na natureza, colocadas em túneis de vento e submetidas a todo tipo investigação teórica.

Quanto à decolagem, descobriram que elas usam duas técnicas, uma chamada de tiptoe (ponta dos pés) e outra chamada de rafting (ao sabor das correntes). Na primeira técnica a aranha sobe até a ponta de uma folha localizada no topo de uma árvore e se coloca na ponta dos pés, apontando as glândulas que produzem os fios de seda (a bunda) em direção ao céu. 

Quando bate um vento, ela secreta rapidamente os fios de seda de diversas glândulas. Os fios são levados pelo vento e, assim que sente que o balão está subindo, a aranha se solta da folha e inicia seu voo. O outro método consiste em se pendurar por um longo fio de teia e ficar balançando ao vento. Aí, quando ela sente o vento favorável, produz os diversos fios de seda que funcionam como um balão. Quando sente que vai decolar, a aranha corta o fio por onde esta pendurada e alça voo.

Mas não pense que a aranha pega qualquer vento. Observações cuidadosas mostram que ela é capaz de escolher o vento que quer surfar. Para tanto, usa uma técnica que aprendi na infância para definir a direção do vento e que você, leitor, deve conhecer. Funciona assim: molhe o dedo indicador na boca e o erga acima da cabeça. A superfície do dedo que recebe o vento esfria por causa da evaporação da saliva, indicando a direção do vento. 

O que os cientistas observaram é que as aranhas que se colocam de bunda para o ar para decolar usam um truque semelhante – levantam uma das patas anteriores, que fica na vertical. Provavelmente essa pata é capaz de identificar a direção do vento. Nesse caso o comportamento de levantar a pata foi observado, mas ainda não se sabe se é essa realmente a função desse ato (alguém sugere um experimento para comprovar essa teoria?).

Finalmente, os cientistas descobriram como a aranha controla a altitude do voo. Durante o percurso, ela pode produzir mais fios e subir, cortar fios e descer e até cortar todos os fios no caso de desejar um pouso forçado. Os cálculos da força e da velocidade dos ventos necessários para permitir o voo de aranhas de diferentes pesos depende muito do número de fios que ela usa para formar o velame e do comprimento dos fios.

Todas essas observações sugerem que aranhas não são simplesmente carregadas pelo vento contra sua vontade, como aprendi faz anos. À medida que a ciência avança, a habilidade de voar das aranhas está sendo reconhecida como relativamente sofisticada e parece fazer parte de seu modo de vida. Será que um dia chegaremos a classificar a aranha como ser voador? E você que tem medo de ser atacado por uma aranha, pode agora se preocupar ainda mais – o ataque pode ser aéreo.

MAIS INFORMAÇÕES: AN OBSERVATIONAL STUDY OF BALLOONING IN LARGE SPIDERS: NANOSCALE MULTIFIBERS ENABLE LARGE SPIDERS SOARING FLIGHT. PLOS BIOLOGY 2018. 

*É BIÓLOGO

Correções
24/06/2018 | 22h47

Diferentemente do informado em uma versão anterior desta coluna, aranha não são insetos, mas sim artrópodes

Mais conteúdo sobre:
aranha

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.