Completado o seqüenciamento do genoma do camundongo

Dois anos depois de publicarem um rascunho do genoma humano, os cientistas do consórcio público National Human Genome Research Institute (NHGRI) anunciaram ter virtualmente completado o seqüenciamento do genoma do camundongo - algo que vai ajudar os pesquisadores a determinar o que fazem muitos dos genes humanos e onde estão localizados.Sabe-se hoje muito mais a respeito do genoma desses roedores do que dos seres humanos - até porque, em laboratório, é possível criar camundongos sem este ou aquele gene e saber qual é sua função exata.Mas, como esses animais e os seres humanos têm grandes semelhanças - a começar pelo provável número de genes, 30 mil - , eles podem dar muitas informações sobre o funcionamento do nosso organismo. "Esses dados vão permitir que os cientistas tenham boas pistas sobre a função de genes humanos, já que basicamente os camundongos e nós temos o mesmo conjunto de genes, e eles podem ser usados em laboratório", diz o comunicado do NHGRI, que coordena o seqüenciamento do genoma humano e de camundongo.Além dos pesquisadores desse instituto, ligado aos Institutos Nacionais de Saúde dos EUA, o trabalho envolveu o Massachusetts Institute of Technology (MIT), a Washington University, em St. Louis, e a Universidade de Cambridge, no Reino Unido. O genoma do camundongo contém 2,7 bilhões de pares de bases acopladas (ante 3,1 bilhões de pares de bases do genoma humano), distribuídos por 20 pares de cromossomos (o ser humano tem um total de 23 pares). Tudo indica que homens e camundongos têm cerca de 30 mil genes.O NHGRI é um rival do Celera Genomics, o primeira a entrar na corrida para obter o mapa completo do genoma humano, no final da década passada. O Celera Genomics também dispõe da seqüencia do genoma do camundongo, mas suas pesquisas não foram publicadas e o instituto cobra pelo acesso às informações. Já os dados do consórcio público estão disponíveis, gratuitamente, em seu endereço na Internet (http://www.nhgri.nih.gov/).

Agencia Estado,

06 de maio de 2002 | 18h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.