Confirmado 1.º foco de gripe aviária na Rússia européia

O Laboratório Nacional da Gripe Aviária da Rússia confirmou nesta quarta-feira o primeiro foco da doença na parte européia do país, informou o Serviço de Controle Fitossanitário e Veterinário local."A presença de antígenos e material genético do vírus de tipo H5N1 - a única cepa que pode ser letal para os humanos - foi detectada em várias amostras extraídas de uma fazenda particular na região de Tula", assinalou o organismo, segundo a agência russa Interfax.A aldeia de Yandovka (Tula), onde foram registradas as primeiras mortes maciças de galinhas, patos e gansos no último dia 14, fica a cerca de 300 quilômetros ao sul de Moscou.As autoridades locais decidiram sacrificar todas as aves dessa localidade, impor uma quarentena e pagar indenizações aos granjeiros atingidos, além de vacinar todas as aves da região.Atravessando os montesDe um total de 3 mil que há nesta localidade, 493 ficaram infectadas e 220 morreram em seis explorações agrícolas privadas. Até agora, todos os focos da doença tinham sido registrados no outro lado dos Montes Urais, em regiões fronteiriças com o Cazaquistão, aonde a doença chegou procedente do noroeste da China.Desde o final de julho, foram registradas na Rússia focos em 51 localidades de seis entidades federais, mas existem suspeitas de focos epidêmicos em 90 pontos.Atualmente, existem outros dois focos confirmados de gripe aviária e 19 pontos suspeitos na região siberiana de Kurgan, fronteiriça com o Cazaquistão, enquanto na região de Novosibirsk existem suspeitas em 16 pontos.Nas regiões de Altai, Cheliábinsk, Omsk e Tiumen os focos totalmente foram erradicados.A Organização Mundial da Saúde (OMS) tinha manifestado seu temor de que a epidemia se propagasse ao compasso da migração de aves selvagens da China à Sibéria e Cazaquistão, à parte européia da Rússia e, de lá, à região banhada pelo Mar Cáspio, ao Cáucaso, à Geórgia, à Ucrânia e à Europa Ocidental.

Agencia Estado,

19 de outubro de 2005 | 14h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.