Congresso de Bioética defende fim de armas biológicas

O 4.º Congresso Mundial de Bioética elaborou uma declaração final na qual pede a destruição das armas biológicas. A conferência, organizada pela Sociedade Internacional de Bioética e que conta com a participação de 300 cientistas de vários países, se comprometeu a lutar por "uma ordem mundial mais justa, sustentável e solidária", para "acabar com os conflitos".O documento final, que será aprovado nesta sexta-feira no ato de encerramento do congresso, reivindica "a destruição de todas as armas biológicas" e condena a colaboração de profissionais da biomedicina na elaboração de programas e estratégias militares.O texto adotado pelo plenário adverte que "a dignidade humana é um atributo exclusivo de todos os seres humanos, e seu reconhecimento é um direito fundamental".Sobre o uso de armas químicas e biológicas, assunto amplamente debatido neste terceiro dia de reuniões, o documento considera que os projetos são "particularmente cruéis por atingirem indiscriminadamente a população civil".Os cientistas debaterão nesta quinta-feira sobre o acesso da população asistemas de saúde e medicamentos. Na sexta, o encerramento incluirá também a entrega do prêmio Sociedade Internacional de Bioética 2005 à profissional britânica Mari Warnock.

Agencia Estado,

23 de novembro de 2005 | 16h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.