<img height="1" width="1" style="display:none" src="https://www.facebook.com/tr?id=1659995760901982&amp;ev=PageView&amp;noscript=1">

Conservadorismo já afeta filmes com temas científicos

Grupos religiosos ultraconservadores americanos têm sua própria tese sobre a origem da vida e do ser humano, o criacionismo, e além disso, têm demonstrado capacidade de pressão ao conseguirem limitar a exibição comercial de filmes com referências à teoria da evolução de Charles Darwin e do Big Bang.Por causa da pressão exercida por estes grupos, vários filmes com conteúdos considerados de acordo com a teoria darwinista deixaram de ser exibidos em alguns cinemas Imax (equipados com telas de grande formato). Estes filmes evocam a teoria de o universo não foi criado por Deus que a vida na Terra poderia ter sido originada no fundo dos oceanos.Paralelamente, um documentário baseado nas teorias destes religiosos ultraconservadores - particularmente voltado para a idéia de que a vida é tão complexa que só uma inteligência superior poderia estar em sua origem - foi adicionado ao programa do museu de História Natural de Washington, apesar da oposição da comunidade científica.Desde o começo do ano, vários cinemas dos Estados Unidos - principalmente no sul, onde a influência religiosa é mais forte - têm se negado a exibir os filmes Viagem Cósmica, Vulcões das Grandes Profundezas e Galápagos, este último sobre as ilhas onde Darwin pesquisou para formular sua teoria da evolução.O filme sobre os vulcões marinhos "não trata da evolução, mas gerou polêmica, pois fazia referência à origem da vida", explicou Valentine Kass, diretora do programa de educação científica da Fundação Americana de Ciências.No início do ano, o museu de ciências e história de Fort Worth (Texas) descartou o filme sobre os vulcões antes mesmo de colocá-lo em cartaz. O oceanógrafo Richard Lutz, que colaborou no filme, destacou que a polêmica ocorreu pelo "fato de que a vida poderia ter começado nas grandes profundidades" oceânicas.Lutz lamentou ver como outros cineastas modificam temas científicos por medo de que este tipo de polêmica afete a rentabilidade de seus filmes. "Em vista do estrito mercado para um filme em Imax, alguns diretores evitarão este tipo de tema", disse ele.

Agencia Estado,

23 de junho de 2005 | 09h45

Selecione uma opção abaixo para continuar lendo a notícia:
Já é assinante Estadão? Entrar
ou
Não é assinante?
Escolha o melhor plano para você:
Sem compromisso, cancele quando quiser
Digital Básica
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 8,90/mês a partir do segundo mês
  • Portal Estadão.
  • Aplicativo sem propaganda.
Digital Completa
R$
0, 99
/ mês
No primeiro mês
R$ 18,90/mês a partir do segundo mês
Benefícios Digital Básica +
  • Acervo Estadão 146 anos de história.
  • Réplica digital do jornal impresso.
Impresso + Digital
R$
20, 90
/ mês
No primeiro ano
R$ 56,90/mês a partir do segundo ano
Benefícios Digital Completa +
  • Jornal impresso aos finais de semana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.