Consumo de carne e leite deve ser limitado contra efeito estufa

Segundo relatório da Universidade de Surrey, carne deve ser consumida quatro vezes por semana por pessoa

Efe

30 de setembro de 2008 | 15h47

A população britânica deveria limitar o consumo de carne a quatro porções por semana a cada pessoa e o de leite a um litro, a fim de ajudar a combater a mudança climática, segundo um relatório da Universidade de Surrey. O estudo, elaborado pela Rede de Pesquisa sobre Alimentos e Clima da universidade do sul da Inglaterra, afirma também que deveria ser reduzido ao consumo total de alimentos, especialmente dos que têm poucos nutrientes, como os doces. Os especialistas da citada casa de estudos recomendam o retorno a hábitos de alimentação seguidos por mães e avós, como a compra de produtos próprios de cada estação, cozinhar em panelas de pressão e caminhar até o supermercado. Também propõem o uso de microondas ou a compra pela internet, acrescenta o texto, segundo informações do jornal The Guardian. O relatório faz estas recomendações, devido à preocupação cada vez maior sobre a relação entre a indústria de criação de gado e os gases que poluem o meio ambiente. A análise foi elaborada, após uma investigação que durou quatro anos sobre o impacto dos alimentos na mudança climática e é considerado o estudo mais exaustivo sobre este assunto. A autora do relatório, Tara Garnett, disse que a comida é importante por muitas razões, entre elas culturais, mas ressaltou que as campanhas para incentivar as pessoas a mudar os hábitos alimentícios não darão resultado, e pede que o Governo recorra a outras opções, como estabelecer limites sobre emissões de gases poluentes.

Tudo o que sabemos sobre:
aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.