Contra petróleo e guerra, Califórnia aposta no biodiesel

A impotência diante dos altos preços do petróleo reavivou "a revolução do biodiesel" nos Estados Unidos, terra prometida dos automóveis, onde um grupo ecologista californiano que propõe fazer os carros circularem com óleo de cozinha desperta cada vez mais interesse.Há alguns meses, o Oasis, um pequeno posto de gasolina da progressista cidade californiana de Berkeley, berço dos protestos contra a guerra no Vietnã, nos anos 1960, atrai cada vez mais motoristas de veículos a diesel interessados em experimentar a interessante e econômica proposta.É que o Oasis, aberto no fim de 2003, é o único posto de abastecimento num raio de 70 km com biodiesel, um combustível obtido a partir de óleo de cozinha usado e que, já está comprovado, é capaz de fazer funcionar o motor da maioria dos veículos movidos a diesel.Poucos clientesNos Estados Unidos, o diesel é muito pouco comum em carros particulares e custa cerca de 8% a menos que o combustível sem chumbo, de melhor qualidade. Por isso, o nicho de potenciais clientes no país para o biodiesel é reduzido.No entanto, isto não impediu que o número de seguidores do "oásis do biodiesel" tenha triplicado desde os primeiros meses em que começou a funcionar, afirma uma das sócias do empreendimento, Jennifer Radtke.O posto tem uma pista onde passa um carro por vez, tem uma única bomba e um pequeno escritório. Em suas paredes está pendurada uma cópia da Declaração da Independência dos Estados Unidos (1776), debaixo da qual se destaca um autógrafo do cantor de música country Willie Nelson."As pessoas descobrem que estamos aqui e que podem comprar biodiesel. Depois, vão comprar um carro a diesel", garante Radtke. "Muitas não querem que seu dinheiro se esfumace com petróleo ou na guerra" no Iraque, acrescenta.Ali e Justin Weber, um casal de clientes, comemoram o fato de seu carro consumir muito pouco, uns 6 litros a cada 100 km, e que a diferença entre o preço do biodiesel e do diesel clássico tende a diminuir, fazendo com que o combustível alternativo se torne uma opção cada vez mais interessante. Refinaria domésticaSegundo Radke, para montar uma refinaria doméstica precisa-se de uma garagem ou outro lugar amplo onde se possa instalar um equipamento que custa US$ 500. Depois, basta visitar os restaurantes do bairro, cujos donos ficarão contentes em se livrar do óleo usado, pelo qual precisam pagar a empresas de reciclagem para que o retirem de suas instalações.Uma vez filtrado, acrescenta-se um pouco de metano e outros ingredientes que darão ao óleo de cozinha as mesmas propriedades físicas do gasóleo. Assim, o combustível estará pronto para ser colocado no tanque.Além da economia, outro aspecto importante do combustível é que, uma vez em uso, o veículo liberará no ar um odor semelhante ao de pipoca, dependendo do óleo escolhido.Mas, cuidado, adverte Radtke: "Deve-se procurar um bom óleo, não essas coisas que as lojas de comida rápida usam".

Agencia Estado,

31 de agosto de 2005 | 10h26

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.