Controle de gases reduz preocupação com a camada de ozônio

Em quase 20 anos, País reduziu em 89,2% o consumo de substância nocivas, segundo o IBGE

Luciana Nunes Leal e Vinícius Neder - O Estado de S. Paulo

18 Junho 2012 | 10h00

De 1992 para 2010, o Brasil reduziu em 89,2% o consumo de substância nocivas para a camada de ozônio, segundo a pesquisa Indicadores de Desenvolvimento Sustentável (IDS), divulgada nesta segunda-feira, 18, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A destruição da camada de ozônio, um dos principais problemas da agenda ambiental de 20 anos atrás, na Rio 92, está sendo combatida.

 

Isso porque o Protocolo de Montreal, assinado em 1987 e atualmente com 196 países signatários, que decidiu pela redução do uso de substâncias destruidoras da camada de ozônio (SDOs), tem sido bem-sucedido.

 

No Brasil, segundo a compilação do IBGE, o uso de SDOs caiu de 11.099 toneladas PDO (Potencial de Destruição da Camada de Ozônio, unidade calculada englobando os diferentes tipos de substâncias), em 2000, para 1.208 toneladas PDO, em 2010. Os clorofluorcarbonos (CFCs) são os SDOs mais conhecidos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.