Convenção aprova proteção para o mogno

Para exportar mogno, daqui para a frente, será preciso ter umasérie de garantias, técnicas e científicas, de que a madeira foi extraída de modo sustentável e de forma a não colocar a espécie em risco de extinção, no local de onde foi tirada. No Brasil, isso significa que além de obter um certificado de uma autoridade do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), todo o mogno que sair oficialmente do país terá de obter também um certificado de uma autoridade científica, de uma instituição a ser nomeada pelo governo federal. Assim se pode traduzir a decisão tomada, hoje, na reunião da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna e da Flora (Cites), em Santiago, no Chile. Por 68 votos a favor e 30 contra, foi aprovada a inclusão do mogno no Anexo II da Cites, mais rigoroso do que o Anexo III, onde a espécie estava até agora. A proposta de mudança foi da Nicarágua e contou com o apoio declarado do México, Costa Rica, Indonésia, Inglaterra e União Européia. O Brasil votou contra, ao lado da Bolívia e de Gana, tendo solicitado que a votação fosse secreta, não que foi atendido. Além dos representantes dos países signatários da Cites, discursou um membro da Associação Internacional de Produtores de Madeira (IWPA), contra a alteração, e o brasileiro Paulo Adário, coordenador das campanhas da Amazônia, do Greenpeace, a favor. Segundo Adário, foi "uma histórica vitória em defesa do mogno, das populações da América Latina, que querem seus recursos florestais protegidos e explorados de forma sustentável".

Agencia Estado,

13 de novembro de 2002 | 19h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.