Conversão religiosa não pode ser forçada, diz Vaticano

Mensagem se dirige à comunidade hindu, para a qual a conversão de fiéis é um assunto delicado

Associated Press,

05 de novembro de 2007 | 14h34

Crença religiosa não pode ser fruto de conversão forçada, mas deve vir por meio de educação, diálogo e respeito mútuo, diz mensagem emitida pela Igreja Católica por ocasião do feriado de Diwali, da religião hindu.   O chefe do escritório de diálogo inter-religioso do Vaticano, cardeal Jean-Louis Tauran, pediu que os hindus dêem atenção urgente à educação de seus fiéis, para evitar que sejam enganados pelo que classificou de "propaganda falsa e enganosa".   "Crença e liberdade sempre vão juntas. Não pode haver coerção em religião: ninguém pode ser forçado a acreditar, nem pode quem deseja acreditar ser impedido", disse ele.   Na Índia, a conversão religiosa é um assunto delicado. Com 75% da população professando o hinduísmo, no ano passado um grupo de hinduístas extremistas vandalizaram uma escola católica, enfurecidos pelo que viram como uma tentativa de transformar hindus em católicos. A escola, que existe há 140 anos na cidade de Lucknow, onde a conversão é ilegal, atrai estudantes de diversas fés.   A Igreja Católica e o Conselho Mundial de Igrejas vêm tentando criar um código de conduta para a conversão religiosa que preserve o que vêem como o direito do cristianismo de buscar mais fiéis, mas evitando conflitos.   O código tem por objetivo tranqüilizar grupos como hindus e muçulmanos, que temem perder aderentes e muitas vezes recorrem a medidas extremas pra evitar conversões, como penas de prisão ou de morte para convertidos, e a perseguição de missionários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.