Coréia do Norte diz querer explorar espaço com fins pacíficos

Segundo o jornal oficial do país, eles estariam exercendo seu 'direito justo' de desenvolver tecnologia espacial

Efe

07 de novembro de 2008 | 17h23

A Coréia do Norte manifestou nesta sexta-feira, 7, interesse em se juntar à corrida espacial com fins pacíficos, da qual já participam países emergentes como a Índia e China, segundo afirmou o jornal oficial Rodong Sinmun. Segundo ele, o país vem exercendo seu "direito justo" de investigar e desenvolver tecnologia espacial com fins pacíficos e no futuro "continuará avançando" rumo a essa meta. O jornal referiu-se aos satélites lançados ao espaço por países em desenvolvimento, como China e a Índia, e assinalou que a corrida espacial é agora uma tendência global, embora anteriormente fosse um monopólio dos países desenvolvidos. "O interesse internacional no espaço como fonte comum de riqueza para a humanidade aumenta a cada dia e muitos países se esforçam no uso e expansão pacíficos de suas pesquisas espaciais", ressaltou o diário. A Coréia do Norte disparou sobre o Japão, em 1998, um míssil de longo alcance, chamado Taepodong-1. O regime comunista afirmou que o míssil transportava o primeiro satélite norte-coreano, chamado Kwangmyongsong, e que o satélite entrou em órbita cinco minutos após haver disparado a bomba. Analistas americanos consideraram que o lançamento do satélite da Coréia do Norte fracassou rapidamente.

Tudo o que sabemos sobre:
Coréia do Norteespaçociência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.