Coréia libera nova pesquisa de grupo que clonou embriões

A equipe de cientistas sul-coreanos que fez a primeira clonagem de embriões humanos para a obtenção de células-tronco, em fevereiro do ano passado, obteve nesta quarta-feira a permissão do governo daquele país para fazer novas pesquisas com óvulos descartados em clínicas de fertilização assistida.A decisão do governo põe em prática a política liberal estabelecida pelo governo sul-coreano para as pesquisas genéticas. Os cientistas podem clonar embriões humanos para fins terapêuticos, mas a gestação de clones humanos é proibida.Na clonagem terapêutica, o material genético de um paciente é implantado num óvulo sem núcleo, gerando um embrião que, nos primeiros dias, será um conjunto de poucas células-tronco. Estas células-tronco podem então ser recolhidas e implantadas no paciente, com a vantagem de não sofrer rejeição.Esta técnica vem sendo desenvolvida com vistas ao tratamento de doenças como Alzheimer, Parkinson, diabete e várias síndromes degenerativas.A equipe do professor Hwang Woo-Seok, da Universidade Nacional de Seul, terá de seguir estritamente as diretrizes contidas na legislação baixada em dezembro passado pelo Ministério da Saúde e bem-estar. Somente material descartado em clínicas poderá ser manipulado.Ainda em janeiro do ano passado o Parlamento sul-coreano havia votado a proibição total à clonagem humana com fins reprodutivos, mas manteve o caminho aberto ao uso de embriões para fins terapêuticos.   leia mais

Agencia Estado,

12 de janeiro de 2005 | 13h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.