Corte dos EUA rejeita defesa religiosa para uso de maconha

Juízes disseram que preocupações sobre segurança e saúde dão interesse para restrinção do uso de maconha

AP,

08 Setembro 2009 | 17h21

A Suprema Corte do Arizona determinou que um homem não pode usar a lei estadual de liberdade religiosa para reverter sua condenação por posse de maconha enqunto dirigia. A decisão unânime da corte desta terça-feira, 8, rejeitou o argumento de Anny Ray Hardesty que ele poderia utilizar a mesma defesa que libera o uso da droga em sacramentos dos índios norte-americanos.

 

Os juízes disseram que já foi estabelecido que as preocupações sobre a segurança pública e saúde dão ao governo um interesse convincente para restringir o uso de maconha. O tribunal concluiu que as alegações Hardesty, que ele tem o direito ao uso de maconha sempre que ele quiser, inclusive enquanto dirige, significa que nada menos restritivo que a proibição seria suficiente

Mais conteúdo sobre:
maconha religião

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.