Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Corte no orçamento do Inpe ameaça satélites e monitoramento da Amazônia

Orçamento real do instituto encolheu quase 70% nos últimos sete anos; dispositivo feito em parceria com a China corre risco de ficar pronto e não chegar ao espaço

Herton Escobar, O Estado de S. Paulo / Enviado especial

25 Novembro 2017 | 20h00

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - Na grande sala de integração de satélites do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), um misto de engenheiros brasileiros e chineses se aglomera ao redor do corpo metálico e ainda nu do novo Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres, o CBERS 4A. Vestindo jaleco, touca e sapatos especiais, eles examinam e testam cada um dos equipamentos que planejam enviar ao espaço.

Previsto para ser lançado em dezembro de 2018, mas já adiado para meados de 2019, o CBERS 4A é uma das vítimas mais ilustres da crise de recursos humanos e financeiros que ameaça paralisar projetos e serviços essenciais do Inpe. Entre eles, o monitoramento da Amazônia e as “previsões numéricas” do tempo, que são a base de toda a meteorologia nacional.

“A situação é terrível”, diz o diretor do instituto, Ricardo Galvão. O orçamento real do Inpe encolheu quase 70% nos últimos sete anos, de R$ 326 milhões, em 2010, para R$ 108 milhões, em 2017, segundo dados obtidos pelo Estado e corrigidos pela inflação. Já o quadro de funcionários encolheu quase 25% em dez anos.

Para 2018, a tendência é piorar. A proposta do governo é cortar 39% do orçamento de todos os institutos e autarquias ligadas ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, incluindo o Inpe e a Agência Espacial Brasileira.

“Esse corte certamente implicará a descontinuidade de alguns programas de grande relevância no instituto”, alerta Galvão. “Tenho sérias dúvidas se vamos conseguir renovar essa colaboração com a China.”

O CBERS 4A (pronunciado “cibers”, na sigla em inglês) é o sexto satélite produzido em parceria pelos dois países. Dotados de câmeras que escaneiam continuamente a superfície terrestre, eles produzem imagens essenciais para o planejamento e monitoramento de safras, gestão de recursos hídricos, planejamento urbano, controle do desmatamento e outras aplicações. As imagens são distribuídas gratuitamente online para milhares de usuários, principalmente do setor agrícola.

Cegueira espacial

Já existe a intenção de renovar a parceria para a construção de mais dois satélites, mas o CBERS 4, que é o único ainda operacional em órbita, dificilmente viverá o suficiente para isso – sua expectativa de vida útil se encerra agora, em dezembro. A partir daí, ele pode parar de funcionar a qualquer momento, deixando o Brasil “cego” no espaço.

“O CBERS 4A foi concebido para preencher essa lacuna entre o fim da vida do CBERS 4 e a concepção da próxima geração de satélites”, diz o coordenador do Segmento Espacial do programa, Antonio Carlos Pereira Junior. O projeto do 4A é quase idêntico ao dos CBERS 3 e 4, aproveitando peças sobressalentes para encurtar ao máximo o tempo necessário para colocá-lo em órbita. Ainda assim, os entraves burocráticos, jurídicos e financeiros são muitos, diz Pereira Junior.

Para voar em dezembro de 2018, diz ele, o contrato de lançamento deveria ter sido assinado em junho – com 18 meses de antecedência, pelo menos, por causa de todos os preparativos necessários. A dúvida agora é se haverá recursos suficientes nas contas do ano que vem para lançá-lo em 2019. “Corremos o risco de ter o satélite pronto e não conseguir lançá-lo.”

O orçamento aprovado para o programa CBERS neste ano foi de R$ 70 milhões. Em meio a cortes e contingenciamentos, porém, o Inpe recebeu menos da metade disso: R$ 31,5 milhões. O custo do lançamento é de US$ 15 milhões para cada país (cerca de R$ 50 milhões, pela cotação do dólar).

Impactos

Outro projeto ameaçado pelo aperto fiscal é o do Amazonia 1, primeiro satélite de observação da Terra 100% brasileiro, que está em construção no Laboratório de Integração e Testes (LIT) do Inpe.

A meta é ter o satélite pronto em janeiro de 2019, mas contratos e licitações que precisam ser feitos com antecedência estão caindo em atraso. Dos R$ 58 milhões previstos no orçamento deste ano, o projeto recebeu só R$ 15 milhões.

+++ Governo propõe 25% de corte no orçamento de ciência e tecnologia para 2018

Tanto o CBERS quanto o Amazonia são considerados essenciais para que o Brasil não dependa exclusivamente de satélites estrangeiros para monitorar seu território. O Inpe gasta US$ 250 mil por ano comprando imagens dos satélites Landsat (americano) e Resourcesat (indiano), indispensáveis para o monitoramento do desmatamento na Amazônia – complementadas pelo CBERS 4.

Mas até para isso o Inpe está sem recursos, afirma Galvão. “Não paguei o contrato do Landsat este ano, e não sei como vou pagar no ano que vem.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Herton Escobar, O Estado de S. Paulo / Enviado especial

25 Novembro 2017 | 20h00

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - A principal máquina de previsão do tempo no País está à beira da morte. Aos sete anos de idade, o supercomputador Tupã, do Centro de Previsão de Tempo e Meteorologia (Cptec) do Inpe, em Cachoeira Paulista, a 200 quilômetros da capital, chegou ao que os especialistas chamam de “end of life”, ou fim da vida. É o ponto em que, mesmo com manutenção constante, a máquina pode parar a qualquer momento.

“Se isso acontecer, o Cptec para”, diz o chefe de Operações do centro, Gilvan Sampaio. E, com ele, a previsão do tempo no Brasil inteiro, com consequências imediatas para setores como agricultura, energia e prevenção de desastres naturais.

“Sem a máquina, não temos como gerar as previsões”, explica Sampaio. Na semana retrasada, lembra ele, o computador quebrou no domingo e só voltou a funcionar na terça, porque segunda-feira foi feriado. O contrato de manutenção da máquina venceu em outubro e não foi renovado, por falta de recursos. A empresa responsável continua a prestar o serviço, sem pagamento, mas apenas nos dias de semana e em horário comercial. A previsão do tempo daquela terça-feira, portanto, foi feita com dados defasados, de domingo de manhã.

Histórico

Comprado em 2010, por R$ 50 milhões, o Tupã era à época um dos 30 computadores mais velozes do mundo, com capacidade para realizar 258 trilhões de cálculos por segundo. Hoje, não entra nem no top 500, mas ainda é o “cérebro” da meteorologia nacional. 

O procedimento-padrão, segundo Sampaio, seria comprar um supercomputador a cada quatro anos, quando as máquinas ficam defasadas e perdem seu valor de mercado. “Desde 2014 estamos solicitando recursos para comprar uma máquina nova, sem sucesso.” O custo estimado é de R$ 120 milhões.

A solução foi apelar para uma gambiarra nacional, com uma proposta de substituir processadores e dar uma sobrevida de dois anos à máquina. O Inpe conseguiu R$ 10 milhões para isso, em recursos ministeriais e emendas parlamentares, mas ainda aguarda um parecer da Consultoria Jurídica da União para poder contratar o serviço, e a data-limite de empenho para este ano é 8 de dezembro. Depois disso, o recurso é perdido.

“Essa sobrevida de dois anos seria uma melhora, mas não é suficiente. Precisamos de uma máquina nova”, afirma Sampaio. Mesmo que o dinheiro entre hoje, diz ele, levará cerca de dois anos para ter o novo computador comprado (via licitação internacional), instalado e funcionando.

Encontrou algum erro? Entre em contato

‘É muito mais fácil ser pessimista do que otimista’

presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB) disse que a parceria do Brasil com a China na área espacial é sólida e “não haverá nenhum atraso” no cronograma do CBERS 4A por falta de recursos

Herton Escobar, O Estado de S. Paulo / Enviado especial

25 Novembro 2017 | 20h00

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), José Raimundo Coelho, disse que a parceria do Brasil com a China na área espacial é sólida e “não haverá nenhum atraso” no cronograma do CBERS 4A por falta de recursos – ainda que haja atrasos relacionados a questões jurídicas. Segundo ele, o satélite será lançado até o fim de 2018 ou, “na pior das hipóteses”, no início de 2019.

“É muito mais fácil ser pessimista do que otimista”, disse Coelho, rebatendo as previsões mais negativas de funcionários do próprio Inpe. “Eu escolhi esse caminho difícil de ser otimista. Mas não é um otimismo irresponsável; estou em contato constante com o meu ministério e tenho pessoas ao meu lado que me garantem que isso vai acontecer.”

A AEB é vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), e repassa recursos ao Inpe para projetos do programa espacial. O MCTIC afirmou que os valores do orçamento de 2018 ainda estão sendo negociados, e a pasta segue atuando para que o governo libere mais recursos para o setor, inclusive neste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.