Ken Bohn / San Diego Zoo Global
Ken Bohn / San Diego Zoo Global

Corvo do Havaí usa ferramenta para buscar comida, dizem cientistas

O comportamento é extremamente raro entre animais - acontece em menos de 1% dos gêneros

Fábio de Castro, O Estado de S. Paulo

14 Setembro 2016 | 19h42

Um grupo de cientistas britânicos descobriu que o corvo havaiano (Corvus hawaiiensis) usa ferramentas para buscar comida. O comportamento é extremamente raro entre animais - acontece em menos de 1% dos gêneros. Em corvos, o uso de ferramentas só havia sido observado até agora no corvo da Nova Caledônia (Corvus moneduloides). 

Os corvos havaianos, também conhecidos pelo nome popular Alalā, foram extintos na natureza no início dos anos 2000 e hoje só existem 109 exemplares em cativeiro. Os cientistas estudaram 104 deles e descobriram que 78% usam varetas espontaneamente, com alto grau de destreza, para buscar comida que está fora do alcance.

De acordo com os autores do estudo, por Christian Rutz, da Universidade de St. Andrews (Reino Unido), há cerca de 40 espécies de corvos no mundo e vários deles ainda são muito pouco estudados. "Isso levanta a intrigante possibilidade de que existam alguns utilizadores de ferramentas que ainda não foram descobertos", disse Rutz.

O comportamento do Alalā varia com a idade: 93% dos corvos adultos usavam ferramentas, ante 47% dos filhotes, de acordo com o estudo, que teve seus resultados publicados nesta quarta-feira, 14, na revista Nature

Segundo Rutz, os corvos da Nova Caledônia há muito tempo deixa os cientistas desconcertados com sua capacidade de usar ferramentas. Mas as origens evolutivas desse comportamento notável permanecem uma incógnita, principalmente porque não era possível fazer comparações com espécies do mesmo gênero. 

"Já havíamos notado que o corvo da Nova Caledônia tem um bico singularmente reto e imaginávamos se essa seria uma adaptação para permitir o manejo de ferramentas, similar à adaptação que resultou no polegar opositor dos humanos", explicou Rutz.

Embora também seja uma espécie de ilhas do Oceano Pacífico, de acordo com Rutz, o Alalā tem uma relação de parentesco bastante distante com os corvos da Nova Caledônia - seus últimos ancestrais comuns viveram há 11 milhões de anos. 

No entanto, ambos evoluíram em ambientes tropicais insulares e remotos. Isso reforça a ideia de que, entre as aves, o uso de ferramentas para buscar comida é facilitado por condições ecológicas típicas de ilhas, como competição reduzida por presas e baixo risco de encontrar predadores.

"São espécies que têm relação muito distante. Parece seguro afirmar que a capacidade de usar ferramentas evoluoiu de forma independente entre as duas espécies. É surpreendente que ambas as espécies tenhams evoluído em ilhas remotas do Oceano Pacífico onde não há pica-paus e outras aves predadoras ferozes - aparentemente, são condições perfeitas para que os espertos corvos se tornassem usuários de ferramentas", disse Rutz.

Extinto na natureza, o Alalā está sendo o foco de um programa de reprodução. "No fim deste ano, em colaboração com nossos parceiros, vamos soltar no Havaí alguns Alalās criados em cativeiro, com o objetivo de restabelecer a população selvagem", afirmou outro dos autores do estudo, Bryce Masuda, que é gerente do programa de conservação de aves do Zoologico Global de San Diego, no Havaí.

Segundo Masuda, após descobrirem que o Alalā utiliza ferramentas, os cientistas da Universidade St Andrews entraram em contato com ele para solicitar a condução de um projeto colaborativo para o examinar esse comportamento sob condições controladas. A conclusão do projeto é que a vasta maioria dos corvos havaianos utilizam as ferramentas espontaneamente, descartando a possibilidade do comportamento ter sido desenvolvido no cativeiro.

"Usar ferramentas é natural para o Alalā. Essas aves não tiveram treinamento específico antes do nosso estudo e mesmo assim a maior parte delas tem uma destreza incrível para manejar varetas de madeira", afirmou Masuda.

Primatas. Em 1964, a célebre primatologista Jane Goodall forneceu os primeiros registros detalhados do uso de ferramentas por chimpanzés selvagens, em um artigo na revista Nature que se tornou um marco científico. 

Na época, o artigo foi categoricamente refutado por conta da ideia há muito tempo arraigada de que apenas os humanos são capazes de utilizar ferramentas. Mas dois anos depois, com o pesquisador Hugo van Lawick, ela descreveu, também na Nature, as primeiras observações gravadas do uso de ferramentas de pedra por abutres do Egito, para abrir ovos de avestruz.

Jane Goodall se manifestou sobre o estudo a respeito do Alalā e declarou ter ficado emocionada. 

"Eu amo saber sobre descobertas de comportamentos de uso de ferramentas em outras espécies de animais. Esta última descoberta é especialmente maravilhosa. Agora temos duas espécies de corvos, além dos tentilhões dos Galápagos e um abutre na lista das aves que utilizam ferramentas", disse a primatologista.

Segundo ela, a descoberta permitirá que os cientistas comparerm o uso de ferramentas entre espécies de aves e primtas. "Cada uma dessas descobertas mostra como ainda há muito o que aprender sobre o comportamento dos animais e nos faz repensar a evolução do uso de ferramentas entre nossos primeiros ancestrais", afirmou Jane.

A cientista também lembrou o valor da pesquisa para a preservação de espécies em extinção. "Vamos deixar que essa descoberta sirva para destacar a importância da conservação dessa e de outrs espécies de animais, para que possamos continuar aprendendo mais sobre sua ampla gama de comportamentos, antes que eles sejam todos extermiandos na sexta grande onda de extinção na Terra. Devemos isso às gerações futuras", disse Jane.

Clique aqui para ver o vídeo feito pelos pesquisadores, com cenas de corvos havaianos em cativeiro utilizando ferramentas para extrair comida de um tronco de árvore. Na segunda cena, um casal pode ser visto interagindo na tarefa. A fêmea (do lado direito) pega uma vereta a utiliza como ferramenta, mas o macho (à esquerda) a rouba; o macho usa então a ferramenta para extrair o alimento, que em seguida é roubado pela fêmea.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.