CPI vai pedir interdição de terminal da Shell em SP

A CPI dos Postos de Combustíveis da Câmara Municipal deve pedir a interdição do terminal de distribuição de combustíveis da Shell do Brasil, na Rua Auriverde, no bairro de Vila Carioca, na zona sul de São Paulo. Em seus tanques ficam armazenados 50 milhões de litros de combustíveis."Não ficamos satisfeitos com o que vimos durante a inspeção que realizamos nesta sexta-feira no local", afirmou o vereador Jooji Hato (PMDB), presidente da CPI. "Ficamos mais alarmados ainda ao tomarmos conhecimento de um laudo solicitado pelo Ministério Público, que afirma que a pluma de contaminação atinge o lençol freático e se estende além da Avenida Presidente Wilson, colocando em risco a saúde de 30 mil pessoas que moram e trabalham perto dos depósitos", afirmou.A Shell, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que, como ainda se trata de suposições, a empresa só se manifestará a respeito caso a solicitação seja oficializada. A empresa informou ainda que em breve entregará uma série de laudos e exames solicitados pelos integrantes da CPI.Hato informou que a Shell, além de não ter licença de funcionamento desde 1984, não apresentou uma série de documentos. O médico Anthony Wong, do Centro de Toxicologia do Hospital das Clínicas, recomendou a realização de testes toxicológicos nos moradores da região, pois, de acordo com laudos feitos pela Cetesb, o solo está contaminado por solventes, principalmente benzeno e materiais pesados, como o chumbo.

Agencia Estado,

03 de maio de 2002 | 22h43

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.