Criação de moléculas rende Nobel de Química

A Real Academia Sueca das Ciências concedeu o Prêmio Nobel de Química deste ano a três pesquisadores consagrados no estudo molecular, que conseguiram transformar a metátese em uma das reações mais relevantes da química.A Academia decidiu premiar os trabalhos do francês Yves Chauvin e dos americanos Robert H. Grubbs e Richard R. Schrock pelas "fantásticas oportunidades na produção de novas moléculas, por exemplo, para os fármacos".A metátese é uma reação em que cadeias duplas de átomos de grupos similares se trocam entre si. "É comparável a uma dança de grupo em que os casais ficam mudando de par", explicou a Academia em comunicado.Esta reação é aplicada diariamente na indústria química, sobretudo no desenvolvimento de remédios e de materiais plásticos avançados."Receita"Chauvin, de 74 anos, foi o primeiro a explicar o funcionamento destas reações e em demonstrar que tipo de compostos metálicos funcionam como catalisadores nas diversas reações.Com a "receita" conhecida, explica a Academia, o desafio agora era de desenvolver os catalizadores.CatalisadorO americano Schrock, de 60 anos, foi o primeiro que conseguiu em 1990 produzir um composto metálico que fizesse as funções de catalisador na metátese.Dois anos mais tarde, seu compatriota Grubbs, de 63 anos, desenvolveu um catalisador ainda mais eficaz, que era capaz de manter a estabilidade no ar, o que possibilitou várias aplicações.NobelO prêmio de Química é o último dos três prêmios científicos, após o de Medicina, na segunda-feira, e o de Física, na terça.O próximo prêmio será o Nobel da Paz, que será divulgado em Oslo na próxima sexta-feira.Só falta fixar a data do Nobel de Literatura, que tradicionalmente é divulgado poucos dias antes do anúncio em si. O Nobel de Economia, por sua parte, será conhecido na próxima segunda-feira.Todos os prêmios distribuem 1,1 milhão de euros e são entregues em 10 de dezembro, aniversário da morte de Alfred Nobel, fundador dos prêmios.

Agencia Estado,

05 de outubro de 2005 | 08h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.