Criada Área de Proteção Ambiental em Brasília

O governo federal começou a adotar medidas para assumir o controle sobre o crescimento urbano desordenado no Distrito Federal (DF). Decreto assinado nesta quinta-feira pelo presidente Fernando Henrique Cardoso transforma cerca de 60% do DF e parte de dois municípios de Goiás em Área de Proteção Ambiental.Com isso, novos assentamentos, condomínios ou obras na região passam a depender de licença ambiental da União e não mais dos governos locais.A Área de Proteção Ambiental do Planalto Central tem mais de 500.000 hectares, atingindo parte dos municípios goianos de Planaltina de Goiás e Padre Bernardo, além de cerca de 60% do DF.Nesta região, agora protegida, estão localizadas nascentes das Bacias Hidrográficas Amazônica, do Paraná e do São Francisco, as três maiores do País.?O crescimento urbano e a expansão das atividades agropecuárias, desordenados, têm colocado em risco a diversidade biológica e a proteção natural dos mananciais hídricos, com a retirada de mais da metade da cobertura vegetal original?, diz nota à imprensa divulgada pelo Ministério do Meio Ambiente.Segundo o documento, ?esse processo vinha ocorrendo à revelia do Ministério do Meio Ambiente e do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis)?.A criação da área de proteção ambiental levou o governo a reforçar a atuação do Ibama no DF com 14 novos servidores. O governo do Distrito Federal também passará a contar com um helicóptero, nova frota de veículos e mais fiscais para coibir empreendimentos irregulares.O decreto que cria a nova área de proteção foi assinado por Fernando Henrique em solenidade no Palácio do Planalto, com a presença do governador do DF, Joaquim Roriz (PMDB), e do ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho. Segundo Sarney Filho, o plano de manejo para definir o uso da nova área deve ficar pronto em seis meses.

Agencia Estado,

10 de janeiro de 2002 | 21h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.