Criador de Dolly deve trabalhar com clonagem humana

O cientista britânico Ian Wilmut criador da ovelha clonada Dolly, começou a trabalhar na clonagem de embriões humanos, informou hoje a imprensa da Grã-Bretanha.No entanto, Wilmut - que, atualmente, trabalha com um grupo de especialistas do Instituto Roslin, de Edimburgo - deverá receber uma permissão especial da Autoridade de Embriologia e Fertilização Humana (HFEA) antes de dar prosseguimento à controvertida investigação. "Meu objetivo final será superar as últimas tentativas científicas internacionais e criar um corpo humano inteiramente clonado", declarou Wilmut à BBC de Londres, acrescentando que seus experimentos estão destinados a curar os pacientes que sofrem de enfermidades degenerativas, como o mal de Parkinson. "Minha intenção é a de adquirir a licença especial do governo, o que me permitirá investigar através do procedimento denominado partenogênese, ou seja, um tipo de fertilização humana que não utiliza o esperma para a reprodução do óvulo", declarou o cientista britânico. Neste tipo de procedimento, o óvulo não-fertilizado recebe um núcleo de outra célula e estímulos artificiais dentro do laboratório, que propiciam que o óvulo comece a dividir-se para transformar-se em um embrião humano. Um grupo de especialistas que colabora com o Ministério da Saúde recomendou às autoridades britânicas que limitem o uso deste tipo de procedimento de clonagem humana para fins terapêuticos "por temor a acidentes genéticos irreversíveis".

Agencia Estado,

25 de novembro de 2002 | 14h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.