Custo de reduzir CO2 drasticamente é 1% do PIB mundial

Estudo encomendado pela WWF põe preço de conter o carbono abaixo dos custos da mudança climática

26 de janeiro de 2009 | 14h59

Reduzir rapidamente as emissões de gases causadores do efeito estufa ao longo da próxima década custaria menos de 1% do PIB mundial até 2030, diz uma relatório da consultoria McKinsey & Co.  Obama dará a Estados autonomia contra efeito estufa União Europeia quer taxa do clima para países ricos Mapa da emissão de carbono Resumo do relatório McKinsey "Financiar os custos globalmente parece administrável", diz o relatório, patrocinado pelo grupo ambientalista WWF. O preço estimado do esforço seria de US$ 256 bilhões a US$ 448 bilhões ao ano até 2030 quando, calcula-se, o PIB global atingirá US$ 77 trilhões.   Agir significará investimentos adicionais de US$ 678 bilhões, em 2020 e US$ 1,04 trilhão em 2030, dizem os especialistas, alegando que os custos serão retomados como economia de energia no futuro. "O custo líquido acabará abaixo de 1% do PIB global", dizem os autores do trabalho. Os autores dizem ter trabalhado com dez grandes corporações - incluindo Shell e Volvo - e com organizações sem fins lucrativos para calcular como o mundo poderia cortar CO2 suficiente para manter o aquecimento global abaixo de 2º C.  Eles defendem uma grande economia de energia com a produção de carros, edifícios e ma´quinas mais eficientes que poderiam, um dia, cortar pela metade o consumo global de eletricidade. O economista Nicholas Stern estimou, em 2006, que uma mudança climática descontrolada poderia custar de 5% a 20% do PIB global a cada ano. As Nações Unidas realizarão conversações entre governos de vários países sobre a mudança climática em dezembro deste ano, em Copenhague. O objetivo é chegar a um acordo para substituir o Protocolo de Kyoto, que expira em 2012.

Tudo o que sabemos sobre:
efeito estufaaquecimento globalco2wwf

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.