Dados do Sivam vão proteger o meio ambiente, diz o governo

O presidente Fernando Henrique Cardoso garantiu nesta segunda-feira que os dados a serem obtidos com os Sistemas de Vigilância da Amazônia (Sivam) e de Proteção da Amazônia (Sipam) serão usados para a proteção ao meio ambiente. O ministro do Meio Ambiente, José Carlos de Carvalho, garante que o governo já vem trabalhando para combater o desmatamento na região Amazônica e a prova disso é que no último ano ele foi reduzido em 13%.Editoral publicado pelo jornal norte-americano New York Times, questiona se o Brasil irá usar os dados a serem obtidos com o Sistema de Vigilância da Amazônia (Sivam) para combater o desmatamento na região. "O governo já vem usando os dados e já vem fiscalizando e controlando o desmatamento na área, por intermédio do Ibama", disse o ministro, depois de destacar que, além desse controle, é preciso "encontrar formas alternativas para o uso sustentável dos recursos naturais" porque senão, na sua avaliação, o País continuará a ser desafiado pelos ataques ao meio ambiente de forma desorganizada". O presidente, por intermédio do porta-voz, disse, no entanto, que até o momento 75% do Sivam foi instalado, mas que o sistema está avançando.O ministro José Carlos Carvalho disse que "o projeto Sivam é fundamental para reforçar as atividades de controle e fiscalização que o governo vem realizando com o Ibama". O ministro declarou ainda que, "tem convicção clara de que apenas o controle e a fiscalização não serão suficientes para reverter o quadro de uso predatório da região".Para ele, "a alternativa econômica do uso sustentável dos recursos naturais tem de começar pela agenda positiva para a Amazônia, como o governo já vem fazendo". O ministro citou os programas de ecoturismo na região e o PP-G7 como algumas das propostas de uso sustentável dos recursos naturais.Ele reconhece que a população precisa ter meios alternativos para sobreviver, deixando de lado, por exemplo, o corte de madeiras. Por isso, disse, o governo federal está desenvolvendo vários projetos na área. "Sem alternativa econômica, sem fazer com que tenha renda e emprego, vamos continuar sendo desafiados pelo desmatamento", reiterou ele, acrescentando que é preciso promover o ordenamento da ocupação da Amazônia.O ministro reagiu às insinuações de que o governo não fiscalize e região, ao insistir que o Ibama já faz isso. Ele justificou ainda que a prova é a redução do desmatamento que continua sendo combatido e ressaltou que os dados a serem obtidos com o Sivam ajudarão no combate à destruição do meio ambiente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.