Dano no ônibus espacial surpreende tripulação do Discovery

A tripulação do ônibus espacial Discovery, que se encontra atualmente acoplado com a Estação Espacial Internacional (ISS), declarou nesta sexta-feira estar surpresa com os problemas apresentados durante sua viagem ao espaço após tantos cuidados. Em uma entrevista concedida na ISS, a comandante Eileen Collins afirmou que todos ficaram "realmente bastante surpresos que alguns pedaços grandes caíram do tanque (de combustível) externo" durante a decolagem na terça-feira. "Não é o que esperávamos. Não acho que devemos voar novamente, a não ser que algo seja feito para prevenir que isso ocorra de novo."Para o astronauta Andrew Thomas, que falou depois da comandante, o que ocorreu é "uma decepção emocional e também uma decepção quanto à engenharia" aplicada no conserto dos ônibus. Nesta sexta-feira, a Nasa, agência espacial americana, disse ter detectado 25 buracos de onde pedaços de espuma isolante se soltaram - a média anterior era de 150 placas - "maiores do que gostaríamos de ver", disse o diretor Mike Griffin.O material mantém a temperatura estável apesar do atrito do aparelho com a atmosfera. Em 2003, uma dessas placas danificou a asa do ônibus espacial Columbia, o que provocou sua explosão durante a reentrada na Terra. Sete astronautas morreram na ocasião. Em conseqüência, todos os vôos americanos foram suspensos para que o problema fosse resolvido. Apesar de dois anos e milhões de dólares gastos na adaptação do tanque de combustível, Griffin admitiu nesta sexta-feir que "claramente ainda não fizemos o melhor".A tripulação do Discovery usou um braço mecânico, com scanner a laser, para verificar seis locais na parte inferior do ônibus que podem ter sofrido danos. O piloto James Kelly e o especialista Charles Camarda iniciaram inspeções em todo o sistema térmico e realizaram testes em nove áreas essenciais do isolamento. /NASACom base nas informações disponíveis até agora, os engenheiros da Nasa acreditam que o ônibus terá condições de voltar à Terra no dia 7, mas buscam mais informações sobre os locais danificados, explicou o gerente de operações da agência, Phil Engelauf. Além disso, o retorno pode sofrer um adiamento de pelo menos um dia caso as tarefas a ser realizadas na ISS atrasem.TesteO diretor da agência americana fez questão de frisar que o vôo do Discovery é um teste. "Dissemos que, por causa da física envolvida e da natureza do problema, não poderíamos testar esse tanque no solo, em um túnel de vento, em qualquer outro tipo de estrutura. Tínhamos de usá-lo em um vôo para ver o quanto fizemos", disse Griffin.Após receber a notícia de que placas isolantes se soltaram do tanque durante o lançamento do Discovery, a Nasa anunciou que novos vôos espaciais seriam cancelados até que a questão dessas placas seja resolvida. Sua intenção era lançar o ônibus Atlantis em setembro. Por causa do novo atraso, os astronautas do Discovery já foram instruídos a deixar o máximo possível de suprimentos e equipamentos na ISS. A Rússia colocou seus foguetes Soyuz à disposição caso um resgate seja necessário.O ex-astronauta Richard Covey, que ajudou a Nasa a adaptar os ônibus espaciais às novas regras de segurança, planejadas após o acidente do Columbia, afirmou que os técnicos precisam voltar a trabalhar no problema até obter a melhor solução possível, a fim de garantir a segurança dos tripulantes. "Minha intuição é de que isso precisa ser revisto de forma relativamente rápida."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.