Decisão de tribunal sobre ofensas revolta judeus na Argentina

Câmara de Apelação considera que insultos direcionados à comunidade judaíca não caracterizam ato de racismo

Efe,

21 Janeiro 2010 | 11h49

Um tribunal de Buenos Aires gerou revolta nesta quarta-feira, 20, entre a comunidade judaica da Argentina - a segunda maior da América - ao considerar que expressões como "Hitler deveria ter matado todos" são ameaças graves, mas não um ato de racismo.

 

Veja também:

linkPapa nomeia uma mulher para cargo no Conselho Pontifício  

 

A decisão da Câmara Federal de Apelações, divulgada pela imprensa local, foi em resposta à ação aberta por um comerciante judeu que diz ter sido ofendido em uma discussão com, entre outros termos, "judeu filho-da-p...".

 

Segundo a corte, os insultos foram expressões de "descontentamento" e "ameaças", crime sobre o qual deverá se pronunciar a Justiça ordinária em vez da federal. "O conteúdo das frases ditas, por mais repudiável que seja, representou um modo, certamente pouco feliz, de exteriorizar o descontentamento com as relações comerciais e se emoldurou, na verdade, em uma eventual ameaça", diz a corte.

 

O presidente da Delegação de Associações Israelitas Argentinas (Daia), Aldo Donzis, opinou que o pronunciamento do tribunal foi "vergonhoso" e causa "grande preocupação" na comunidade judaica. "Mais que surpresa, gera grande preocupação porque a decisão demonstra que a Justiça não se preocupa com o tema do racismo", declarou Donzis à "Agência Judaica de Notícias", em Buenos Aires.

 

O diretor do Instituto Nacional contra a Discriminação e a Xenofobia, Claudio Morgado, também criticou o tribunal ao ressaltar que os insultos "de conteúdo discriminatório" constituem um ato de racismo.

 

A comunidade judaica da Argentina, com cerca de 300 mil pessoas, denunciou nas últimas semanas uma nova onda de ataques e a aparição de pichações antissemitas em cemitérios.

Mais conteúdo sobre:
tribunal racismo judeus Argentina

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.