Depressão pré-natal 'atrasa' evolução do bebê, diz estudo

Depressão da mãe pode levar a problemas de cognição e movimento, diz estudo.

Da BBC Brasil, BBC

27 de junho de 2008 | 07h30

A ocorrência de depressão em mães grávidas pode atrasar o desenvolvimento da criança durante os 18 primeiros meses de vida, sugere um estudo britânico publicado na revista científica BJOG. A pesquisa indica que a depressão durante a gestação pode aumentar em até 34% as chances de a criança apresentar problemas de desenvolvimento relacionados à cognição e comportamento como motricidade fina (habilidade com as mãos e dedos em executar tarefas como alcançar, soltar e segurar), reconhecimento e uso de linguagens, coordenação, entre outros. Segundo os cientistas da Universidade de West England, em Bristol, na Inglaterra, o estudo ressalta a influência da depressão no período pré-natal - sendo que diversos estudos atribuem o atraso no desenvolvimento da criança apenas à depressão pós-parto. "A descoberta mais importante é que a depressão maternal pré-natal tem um impacto negativo no desenvolvimento cognitivo da criança, mesmo quando a depressão pós-parto é considerada", disse Toity Deave, que liderou o estudo. Além disso, a pesquisa destaca ainda que a depressão durante a gravidez pode aumentar as chances das mulheres se sentirem deprimidas também depois do nascimento do bebê. "Alguns problemas de desenvolvimento atribuídos à depressão pós-parto são causados em parte pela presença de sintomas depressivos durante a gravidez", diz o estudo. ImpactoO estudo analisou os registros médicos de 9.224 mulheres que tiveram seus filhos entre abril de 1991 e dezembro de 1992. Os pesquisadores recolheram informações sobre a situação psicológica das mães na 18ª e 32ª semana de gravidez e novamente depois de oito semanas e oito meses do nascimento. Quando as crianças atingiram 18 meses de idade, as mães completaram ainda cinco questionários sobre a saúde e desenvolvimento do bebê. De acordo com os resultados, mulheres que passaram o período de gravidez deprimidas aumentavam em 50% as chances de ter filhos diagnosticados com problemas de crescimento. No entanto, os cientistas afirmaram que parte desse risco estaria relacionado com a influência da depressão pós-parto na saúde das crianças e por isso, fizeram uma nova análise para identificar o impacto da depressão pré-natal de maneira independente. DiagnósticoEm resposta ao estudo, o editor da revista científica BJOG, Philip Steer, afirmou que é essencial que médicos e parteiras tenham um papel ativo em identificar e avaliar a condição psicológica das mães. Uma porta-voz do Royal College of Midwives, que forma parteiras na Grã-Bretanha, afirmou que as profissionais estão preparadas para lidar com esse tipo de condição já que criam um relacionamento com as mães durante a gravidez. "Ainda há um estigma relacionado à depressão e doença mental durante a gravidez e, em alguns casos, apenas identificar que existe um problema já pode ajudar", disse. "Quando o problema se torna mais grave, as parteiras são treinadas para encaminhar as mães a um clínico geral ou psiquiatra para que a mulher possa ter o cuidado e ajuda que necessita", disse.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.