Desastre ambiental em Iriri pode ter vazamento como causa

Pesquisadores não descartam que a morte de milhares de peixes, aves e plantas, no Rio Iriri e em seu afluente, o Curuá, no Estado do Pará, tenha sido causada pelo vazamento de alguma substância tóxica de uma mineradora desativada, que explorava cassiterita na região de Altamira.Esta é uma das hipóteses em investigação pelos participantes da Operação Iriri, deflagrada nesta sexta-feira pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).Biólogos, médicos e veterinários investigamainda a proliferação de algas verde-azuladas no igarapé Bala. O engenheiro químico da Diretoria de Licenciamento e Qualidade Ambiental do Ibama,João Bosco Costa Dias, um dos participantes da Operação Iriri, observa que a ?a cassiterita, que é depurada com arsênio, foi abandonada nos tanques da lagoa de contenção da antiga mineração Canopus?.Ele explica ainda que os peixes e plantas podem ter sido envenenados por cianotoxinas, produzidas a partir da decomposição das algas.A real causa só deve ser conhecida na próxima semana, com os resultados dos exames laboratoriais.Segundo a assessoria do Ibama, os integrantes da Operação Iriri já começaram a coletar amostras de água, peixes e outros sedimentos do leito do riopara enviar às universidades federais de Brasília (UnB), do Rio de Janeiro (UFRJ), do Pará UFPA) e a estadual de São Paulo (Unesp/Botucatu).Da operação participam técnicos do Ibama, Eletronorte, Fundação Instituto EvandroChagas e Conselho Indigenista Missionário, entre outros. Os técnicos vão orientar apopulação ribeirinha e aldeias indígenas, localizadas na região, a não consumir água nem peixes capturados nos igarapés Bala e Catete e nos rios Iriri, Curuá e Xingu.

Agencia Estado,

07 de fevereiro de 2003 | 18h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.