Descoberta a mais profunda chaminé vulcânica dos mares

Local pode ser rico em formas de vida ainda desconhecidas, dizem pesquisadores britânicos

Associated Press

13 Abril 2010 | 10h17

Cientistas usando um submarino de controle remoto descobriram a mais profunda chaminé vulcânica já encontrada, e dizem que as águas superaquecidas em seu interior podem conter espécies marinhas desconhecidas e, talvez, pistas para a origem da vida na Terra.

 

Especialistas a bordo do RRS James Cook dizem ter encontrado a chaminé vulcânica a mais de 5 km de profundidade, abaixo da superfície da região caribenha conhecida como a Fossa Cayman, um cânion do fundo do mar que serviu de cenário para o filme O Segredo do Abismo, de James Cameron.

 

Água superaquecida irrompe de coluna metálica no fundo do mar. National Oceanography Centre/AP

 

O geólogo Bramley Murton, piloto do submarino, disse que explorar a área foi "como percorrer a superfície de outro mundo", completo com torres de minerais coloridos e espessas manchas de micro-organismos fluorescentes.

 

Chaminés, ou fumarolas, vulcânicas são regiões onde a água do mar mergulha em pequenas rachaduras que vão fundo na crosta terrestre - algumas com mais de 2 km de profundidade. A temperatura ali pode chegar a 400º C, produzindo uma água quente o bastante para derreter chumbo.

 

O fluido quente e rico em minerais dissolvidos é expelido de volta para as águas geladas do oceano, criando um efeito semelhante à propagação de fumaça no ar e deixando para trás colunas de minério, algumas com vários metros de altura. A enorme pressão - 500 vezes maior que a da atmosfera - impede que a água entre em ebulição.

 

O ambiente nas fumarolas pode parecer brutal, com pressão intensa, calor enorme e metais tóxicos, mas essas áreas abrigam colônias de animais exóticos, como camarões cegos, caranguejos gigantes e grandes vermes.

 

A base desse ecossistema é uma bactéria que processa o enxofre e o metano que emergem da fumarola.

Como a nova fumarola fica quase um quilômetro Amis ao fundo do que qualquer outra já descoberta, cientistas especulam que ela pode ser a mais quente já descoberta. O estudo dessa área poderá interessar não apenas a biólogos mais também a físicos que pesquisam "fluidos supercríticos", líquidos que existem em condições extremas.

 

A expedição também poderá revelar formas de vida especialmente adaptadas às condições da Fossa.

Fumarolas submarinas também podem ter tido, segundo alguns cientistas, um papel na origem da vida na Terra.

Mais conteúdo sobre:
biologia vida origem da vida

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.