Kirk French/Divulgação
Kirk French/Divulgação

Descoberta de aqueduto especial revela avanço da engenharia dos maias

Pesquisadores acreditavam que o uso de água pressurizad aera desconhecido

04 Maio 2010 | 18h30

Um sistema hídrico descoberto na cidade maia de Palenque, no México, é o mais antigo exemplo de uso da pressão d'água em engenharia do Novo Mundo, de acordo com pesquisadores da Universidade Purdue, dos EUA. para que os maias usavam a água pressurizada, no entanto, ainda é um mistério.

 

"Acreditava-se anteriormente que sistemas de pressão d'água haviam entrado no Novo Mundo com os espanhóis", afirmam os pesquisadores no periódico Journal of Archaeological Science. "No entanto, os dados arqueológicos, condições climáticas, o ambiente geomórfico e a teoria hidráulica  mostram claramente que os maias de Palenque, em Chiapas, tinhma conhecimento empírico da pressão d'água em canal fechado anterior à chegada dos europeus".

 

O sistema, identificado inicialmente em 1999 durante um mapeamento da área, embora seja semelhante aos aquedutos que fluem por baixo da cidade, também se distingue deles. Em 2006, um arqueólogo voltou a Palenque com um hidrologista para examinar a estrutura. A área de Palenque foi ocupada pela primeira vez por volta do ano 100, mas atingiu o tamanho máximo durante o período clássico dos maias, de 250 a 600. A cidade foi abandonada por volta do ano 800.

 

"Sob condições naturais, teria sido difícil para os maias encontrarem exemplos de pressão d'água em seu mundo", disse o professor de engenharia civil e ambiental Christopher Duffy.

 

Sistemas hídricos subterrâneos, como aquedutos, não são estranhos em Palenque. Como os maias construíram a cidade num espaço apertado, numa encosta,  os habitantes não tinham como se espalhar. Para liberar o máximo de terra para habitação, os maias canalizaram cursos d'água por baixo de praças, por meio de aquedutos. "Eles estavam criando espaço urbano", disse o antropólogo Kirk French.

 

A estrutura estudada, o aqueduto Piedras Bolas. é um canal alimentado por nascentes localizado num terreno íngreme. A elevação cai cerca de 6 metros da entrada do túnel até a saída, 60 metros adiante. O diâmetro do canal diminui de 3 metros quadrados perto da nascente para 0,04 metro quadrado no final. A combinação de gravidade com a restrição súbita fazia a água sair pela abertura sob pressão suficiente para lançar a água a mais de 6 metros de altura.

 

"A experiência que os maias adquiriram construindo aquedutos em Palenque pode ter levado à criação de pressão útil", disse French. Um dos usos potenciais para a pressão criada artificialmente pode ter sido a criação de uma fonte, ou a elevação da água para uma área residencial.

Mais conteúdo sobre:
arqueologia mais méxico engenharia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.