Descoberta floresta fóssil de 55 milhões de anos

Algumas das árvores petrificadas ainda estão em pé e chegam a medir até dez metros de comprimento

Efe

28 de agosto de 2008 | 14h50

Cientistas alemães descobriram no Ártico canadense os restos de um bosque fóssil de cerca de 55 milhões de anos, informou nesta quinta-feira, 28, o Instituto Federal de Ciências Geológicas e Matérias Primas.  Algumas das árvores petrificadas ainda estão em pé, como quando formavam uma densa selva, explicaram os cientistas alemães em Hannover, ao norte do país.  Os paleontólogos e geólogos alemães sublinharam que alguns fragmentos de troncos fósseis alcançaram, de pé, até um metro e meio de altura, embora os descobertos tombados atinjam até dez metros de comprimento.  Os especialistas comentaram que as árvores estão em tão bom estado que se pode até reconhecer os anéis de crescimento anual. A descoberta foi feita na ilha de Ellesmere, um dos territórios mais ao norte do globo.  Eles também explicaram que há 55 milhões de anos grandes bosques cobriam o que hoje é o Ártico, quando a América do Norte, a Groenlândia e a Europa estavam unidos em um mesmo continente.  O que hoje são áreas polares eram regiões sem gelo e de clima subtropical.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.