Descoberta indica que clima no Alasca já foi ameno

Um estudante americano, que não teve o nome revelado, descobriu a pegada fossilizada de um dinossauro em um parque nacional do Alasca, o que confirmaria que essa espécie de animal povoou a região há 70 milhões de anos. Indicaria também que, na época, clima na região não era tão gelado como hoje. Anthonyu Fiorillo, curador do Museu Nacional de História Natural de Dallas, Texas, disse que a pegada, encontrada dia 27 de junho, mede pouco mais de 20 centímetros de comprimento e provavelmente trata-se da extremidade inferior de um terópode. Os terópodes formam o grupo mais diverso e bem estudado dos dinossauros. Supõe-se que estejam entre os mais antigos. Todos os terópodes compartilham algumas características básicas essenciais: postura bípede, dieta preferencialmente carnívora, crânios desenvolvidos e altamente especializados. "Parece ser a pegada da pata de uma ave gigantesca, mas de fato trata-se da pegada de um dinossauro carnívoro", assinalou Fiorillo, acrescentando que esta é a primeira pegada de dinossauro encontrada no interior do Alasca. Descobertas similares ocorreram em uma área perto do Rio Colville, nas proximidades do Ártico, mas perto do mar. "Não é necessariamente a pegada que é importante para nós. O que nos entusiasma é o local onde foi encontrada, pois confirma que o ecossistema era totalmente diferente, e que as temperaturas na região gelada, perto do Ártico, eram muito mais amenas há 70 milhões de anos", afirmou Fiorillo.

Agencia Estado,

06 de julho de 2005 | 02h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.