Descoberta indica que maias são mais antigos

Máscaras com dentes de serpente e um conjunto de peças de jade, achados na Guatemala, podem indicar que a civilização maia começou muito antes do que se pensava, em 150 a.C. e não em 300 d.C. Os objetos foram achados em um sítio arqueológico chamado Cival, por pesquisadores da universidade norte-americana de Vanderbilt, com apoio da National Geographic.As máscaras são feitas de estuque, idênticas, e medem 5 metros de altura por 3 metros de largura. Têm olhos estilizados em forma de "L" e bocas quadradas, com um par de dentes de cobra no centro. Segundo o arqueólogo Francisco Estrada-Belli, os olhos parecem estar ornamentados com a folha de espiga de milho, o que representaria a divindade do cultivo.Provavelmente as máscaras seriam enfeites de escadarias de uma pirâmide. Juntamente com as oferendas de jade e pedras com a imagem de um rei esculpida, as máscaras sugerem uma sociedade maia jovem, no início dos rituais formais, com a mesma sofisticação do chamado "período clássico" maia, que aconteceu séculos mais tarde.

Agencia Estado,

06 de maio de 2004 | 18h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.