Descoberta substância que leva a ataque cardíaco e derrame

As pessoas explosivas e que tendem à depressão emitem uma substância que contribui às apoplexias e aos males cardiovasculares, revelaram cientistas americanos na revista Psychiatry and Behavioral Sciences. Os pesquisadores da Universidade de Duke indicaram que se trata da proteína reativa C (CRP), produzida pelo fígado como reação às inflamações.Essas inflamações aumentam o risco de haver um ataque apoplético (lesão vascular cerebral aguda como hemorragia, embolia, trombose) ou de uma doença cardiovascular, assinalaram os cientistas no estudo. Segundo Edward Suárez, professor do Departamento de Psiquiatria e Ciências do Comportamento na Universidade de Duke, esta é a primeira vez que se demonstra uma relação entre atributos psicológicos negativos e altos níveis de CRP em pessoas sem fatores de risco de doenças cardíacas.Esses fatores são a obesidade, o consumo de tabaco, a hipertensão, os altos níveis de colesterol no sangue e os hábitos sedentários. Suárez indicou que as pessoas com esses fatores de risco produzem níveis elevados de CRP, que também se manifestam em pessoas que tendem aos estalos de ira, hostilidade e sintomas moderados de depressão.Essa foi a principal conclusão de um estudo realizado com 121 homens e mulheres saudáveis que tiveram de descrever suas características psicológicas, especialmente suas tendências explosivas, hostis e de depressão. Em nenhum caso, os participantes mostravam os fatores de risco característicos das doenças cardíacas ou apopléticas. O estudo demonstrou que quanto mais pronunciadas eram essas características psicológicas negativas maior eram seus níveis de CRP, assinalaram os cientistas.Suárez indicou que o estudo sugere que "o desenvolvimento de uma doença do coração também pode ser fruto de atributos psicológicos que ativam o processo inflamatório que antecipa e contribui para o desenvolvimento de um problema desse tipo".

Agencia Estado,

26 de setembro de 2004 | 12h51

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.