Descobertas na Europa fibras artificiais de 30.000 anos

Algumas das fibras parecem ter sido tingidas usando materiais vegetais comuns na área de diversas cores

AP,

10 Setembro 2009 | 17h55

Foto: Divulgação

 

WASHINGTON - Há mais de 30 mil anos alguém vivendo em uma caverna nas montanhas do Cáucaso trançou linho selvagem e tingiu a trama, criando as fibras mais antigas produzidas por seres humanos, afirmam cientistas.

 

"Fazer fios e cordas é uma invenção sofisticada", disse Ofer Bar-Yosef, professor de arqueologia pré-histórica da Universidade de Harvard. "Eles podem ter usado essas fibras para criar partes de roupas, cordas ou cestas - para itens que eram principalmente para atividades domésticas."

 

As fibras foram descobertas em uma análise de depósitos de argila na caverna de Dzudzuana no que é agora a Georgia, anunciaram Bar-Yosef e os co-autores na revista Science.

 

A mais antiga evidência de fibras trabalhadas por humanos era de Dolni Vestonice, uma região da República Checa, e datavam de 28 mil anos atrás.

 

As fibras descobertas agora são feitas de uma forma silvestre de linho, uma planta que ainda não havia sido domesticada para a agricultura.

 

Os ancestrais tinham uma ideia clara e método para lidar com a útil planta em sua forma selvagem para fornecer fibras de boa qualidade para diferentes usos, disse Bar-Yosef.

 

Algumas das fibras parecem ter sido tingidas usando materiais vegetais comuns na área, disseram os pesquisadores. As cores incluem amarelo, vermelho, azul, violeta, preto e verde.

Mais conteúdo sobre:
fibrasciência

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.